A língua mobilizada na conversação: princípios metodológicos para um trabalho de investigação

Palavras-chave: Conversação. Interação. Papel do pesquisador.

Resumo

Este artigo tematiza o papel do pesquisador frente à particularidade da pesquisa na área da Linguística cujo foco de interesse seja a língua mobilizada na conversação. Trabalhos desta natureza, em geral, se guiam por dois princípios básicos: a escolha de domínios autênticos, ou seja, a língua observada em sua realidade interacional cotidiana; e a complexidade da análise do material significante, que aponta para além do verbal. Neste artigo, cuja reflexão é resultado de pesquisas envolvendo a observação de situações conversacionais, tem-se o objetivo de refletir acerca do papel do pesquisador frente a esses dois princípios, com enfoque nos desafios e potencialidades de tal realidade, os quais apontam para um trabalho de investigação que leve em conta, entre outros fatores, o contexto de produção dos materiais, a complexidade dos dados a serem registrados e a mobilização de recursos paraverbais na constituição do verbal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlete Sandra Diedrich, Universidade de Passo Fundo
Professora do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo
Karina de Almeida Rigo, Universidade de Passo Fundo
Mestranda e bolsista Capes (Modalidade II) do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo.
Publicado
2017-12-15
Como Citar
Diedrich, M., & Rigo, K. (2017). A língua mobilizada na conversação: princípios metodológicos para um trabalho de investigação. Revista Desenredo, 13(3). https://doi.org/10.5335/rdes.v13i3.7404
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##