Sentidos de escola em “Aurora da minha vida”

  • Cintia de Oliveira Pontes Rosa Universidade Federal do Paraná - Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino. Rede Estadual de Educação - Paraná Colégio Adventista de Curitiba
  • Michelle Bocchi Gonçalves Professora da Universidade Federal do Paraná - Atua na Licenciatura em Educação do Campo e como docente permanente nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE:TPEn).
  • Jean Carlos Gonçalves Professor Adjunto da Universidade Federal do Paraná. Atua na Graduação em Produção Cênica e como docente permanente nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE:TPEn).
Palavras-chave: Sentidos de escola. Literatura teatral. Protocolos verbo-visuais. Bakhtin e o Círculo.

Resumo

Este trabalho apresenta uma pesquisa pelo viés da Análise Dialógica do Discurso (ADD), cujo objetivo foi compreender os sentidos de aluno no discurso de professores instigados pela leitura do texto teatral A aurora da minha vida, de Naum Alves de Souza. O estudo foi realizado com professores da área de linguagem de diferentes escolas públicas de Curitiba. Após a leitura do fragmento Aula de português do referido texto teatral, realizou-se a produção de protocolos verbo-visuais. Alguns dos sentidos presentes na análise foram o erro, a relação entre liberdade/autoridade/conhecimento, o riso, o corpo como texto, a convivência com o diferente, a homogeneização, as relações entre sujeitos, o excedente de visão, empatia simpática e a responsabilidade/responsividade do professor, sempre entrecruzados pela noção de alteridade. Os resultados apontam para uma escola que uniformiza, cujo professor é a fonte do conhecimento, no entanto, há vislumbres de conscientização da importância da diversidade e das relações com o outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia de Oliveira Pontes Rosa, Universidade Federal do Paraná - Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino. Rede Estadual de Educação - Paraná Colégio Adventista de Curitiba
Mestre em Educação (Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino - PPGE: TPEn/UFPR) Licenciada em Letras - Português/Inglês (Universidade Estadual de Ponta Grossa -UEPG)
Michelle Bocchi Gonçalves, Professora da Universidade Federal do Paraná - Atua na Licenciatura em Educação do Campo e como docente permanente nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE:TPEn).
Doutora em Educação (UFPR), Mestre em Educação (UFPR). Dedica-se à pesquisa dos sentidos de escola e das práticas performativas em contextos de educação.
Jean Carlos Gonçalves, Professor Adjunto da Universidade Federal do Paraná. Atua na Graduação em Produção Cênica e como docente permanente nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e Educação: Teoria e Prática de Ensino (PPGE:TPEn).
Bacharel e Licenciado em Teatro (FURB), Mestre em Educação (FURB), Doutor em Educação (UFPR). Realizou estágio de pós-doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL/PUC-SP) sob supervisão de Beth Brait.
Publicado
2017-10-19
Como Citar
Rosa, C., Gonçalves, M., & Gonçalves, J. (2017). Sentidos de escola em “Aurora da minha vida”. Revista Desenredo, 13(2). https://doi.org/10.5335/rdes.v13i2.7207
Seção
Artigos