Intersemiótica e Semiótica da Figuratividade Visual em “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto

Valdenildo Dos Santos

Resumo


Partindo dos conceitos de intersemiótica, este artigo trata da passagem do poema aos quadrinhos, dos quadrinhos à animação, a quinese, velejando pelos conceitos da obra de arte para Walter Benjamin, da tradução para Roman Jakobson, do signo estético, da transposição de uma a outra linguagem em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto com base em Julio Plaza e sua obra Tradução Intersemiótica. Num segundo momento, apresenta considerações sobre diálogos entre Peirce e Greimas na esteira de Nícia Ribas D´àvila, culminando com uma análise, sob efeitos de sentido, do desenho animado homônimo, uma versão audiovisual do poeta pernambucano, adaptada para os quadrinhos pelo cartunista Miguel Falcão por meio da teoria da figuratividade visual de inspiração greimasiana, momento em que se identifica a categoria semântica da estacidade versus dinamicidade como par principal entre à linguagem empregada no poema e aquela do desenho animado.

Palavras-chave


intersemiótica, signo estético, semiótica da figuratividade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5335/rdes.v13i1.6577