http://seer.upf.br/index.php/rbecm/issue/feed Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Matemática 2021-04-26T11:04:09-03:00 Aline Locatelli alinelocatelli@upf.br Open Journal Systems <p>&nbsp;</p> <p>As <strong>submissões</strong> de artigos para a RBECM estão <span style="text-decoration: underline;"><strong>ABERTAS</strong></span>.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>A<strong>&nbsp;RBECM</strong> possui publicação semestral sob a responsabilidade do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM), voltada exclusivamente para a pesquisa na área de ensino/aprendizagem de Ciências (Física, Química, Biologia ou Ciências Naturais, quando enfocadas de maneira integrada) e Matemática.</p> <p>Este periódico tem como objetivo principal a divulgação aberta de trabalhos relevantes e originais em pesquisa em ensino de Ciências e Matemática para a comunidade internacional de pesquisadores.</p> <p>ISSN:&nbsp;<strong>2595-7376</strong></p> http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12502 Expediente 2021-04-19T17:53:09-03:00 Revista RBECM alinelocatelli@upf.br 2021-04-19T17:42:10-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12501 Editorial 2021-04-19T17:53:09-03:00 Roberta Chiesa Bartelmebs betachiesa@gmail.com 2021-04-19T17:37:52-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11608 A ABORDAGEM CTSA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA 2021-04-19T17:53:09-03:00 Sandra Godoi Maestrelli sandramaestrelli04@gmail.com Leonir Lorenzetti leonirlorenzetti22@gmail.com <p>Com o objetivo de tornar o ensino de Ciências mais significativo para a vida dos alunos e contemplar aspectos amplos, como a formação cidadã e as relações entre a ciência, a tecnologia, a sociedade e o ambiente, preconiza-se uma abordagem de ensino que tem como foco o desenvolvimento das inter-relações entre esses elementos. Portanto, o intuito deste artigo é apresentar os resultados de um estudo que analisou como a abordagem CTSA, desenvolvida por meio de uma sequência didática, pode contribuir para o desenvolvimento de conhecimentos, valores, atitudes e habilidades. A sequência didática foi desenvolvida com 24 alunos de uma escola municipal em Araucária-PR, caracterizando-se como uma pesquisa de intervenção pedagógica de natureza qualitativa. Os dados apontam que a proposta de ensino permitiu aos alunos participar ativamente do processo de construção do conhecimento. Por meio das discussões, foram desenvolvidos conhecimentos, valores, atitudes e habilidades que são elementos essenciais para o exercício da cidadania.</p> 2021-03-01T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11281 A Contação de história como estratégia para o ensino de ciências 2021-04-19T17:53:10-03:00 Hugo Noronha da Silva Barros hugobarros2011@gmail.com Ana Carolyne de Oliveira Cardoso karolyne_n10@hotmail.com Denise Ana Augusta dos Santos Oliveira prof.deniseana@gmail.com Jorge Cardoso Messeder jorge.messeder@ifrj.edu.br <p>O artigo traz discussões sobre uma intervenção pedagógica, proposta em um projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), que objetivou promover uma associação entre histórias infantojuvenis e o ensino de ciências. As atividades foram baseadas no enfoque Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), a partir de um estudo do tipo qualitativo, classificado como pesquisa-intervenção. O tema norteador da pesquisa se deu a partir de uma contação de história, para 23 crianças do 4º ano do ensino fundamental da rede municipal do município de Duque de Caxias (RJ). Em seguida, foram desenvolvidas estratégias didáticas em sala de aula, promovendo a abordagem CTS, por meio das narrativas da literatura infantojuvenil, o que propiciou uma oficina de confecção de lunetas com discussões humanísticas e uma atividade que evidenciou riscos químicos de produtos saneantes domissanitários. Assim, a pesquisa possibilitou a exploração de novas perspectivas para a alfabetização científica das crianças dessa etapa da escolarização. Os resultados apontaram para as possibilidades de se aliar as histórias infantojuvenis e o ensino de ciências, promovendo discussões humanísticas e sociocientíficas, aproximando o saber científico ao mundo real.</p> 2020-12-04T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10842 A EDUCAÇÃO 4.0: UM ESTUDO DE CASO ACERCA DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ENFRENTAMENTO DOS DESAFIOS DO SÉCULO XXI 2021-04-19T17:53:10-03:00 Isadora Luiz Lemes isa.ulbra@hotmail.com Renato Pires dos Santos renatopsantos@ulbra.edu.br <p>Este artigo apresenta um Estudo de Caso realizado em uma oficina voltada a Formação de Professores ocorrida no segundo semestre de 2019. Diante das tantas transformações que vêm acontecendo e envolvendo inúmeros segmentos da sociedade, a Educação não pode ficar à margem e ignorar que há necessidade em delinear estratégias e metodologias para que os professores estejam preparados e obtenham adequada formação de modo que os discentes atuem, futuramente, de forma ativa e consonante às necessidades e realidades do século XXI. Esta proposta teve por objetivo propiciar um momento de formação para professores, de modo a discutir, de forma inicial, as mudanças que se fazem mister e o que vêm sendo previsto envolvendo a Educação 4.0, enfocando no modo como se poderia pensar em adotar novas posturas, dando espaço para que o docente pudesse repensar e refletir acerca de seu papel no momento atual, bem como, sobre quais serão suas competências no contexto atual. A oficina realizou-se no ambiente de uma Universidade e era aberta a todos os professores, independente se atuavam na Educação Básica ou superior, ou mesmo para alunos das licenciaturas, que podiam manifestar interesse em participar mediante inscrição prévia. Um participante manifestou interesse e compareceu e, por este motivo, este trabalho corresponde a um Estudo de Caso. Foram coletados dados de natureza qualitativa através de um questionário semiestruturado e, após, solicitou-se que o participante esboçasse um plano de aula em acordo com o que foi discutido no decorrer da oficina. O professor participante mostrou conhecimento e propriedade acerca do tema abordado e apontou que há necessidade em atribuir melhores condições às capacitações docentes.</p> 2021-01-29T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10740 A sala de aula invertida na percepção de estudantes de uma universidade pública brasileira 2021-04-19T17:53:11-03:00 Marcelo Valério marcelovalerio@ufpr.br Joschua Rezende da Silva rezendejoschua@gmail.com Gabrielly Giovana Pereira Senes gabriellysenes@gmail.com William Junior do Nascimento williamjn@ufpr.br <p>Resultados de pesquisas e de relatos de experiência transformaram a sala de aula invertida em tendência no ensino superior. Algumas críticas recentes, contudo, têm arrefecido o entusiasmo, reivindicando evidências mais amplas e contextualizadas. Este artigo buscou identificar e analisar a percepção de estudantes que vivenciaram a sala de aula invertida em uma universidade pública brasileira. Um questionário foi desenvolvido e aplicado aos alunos matriculados em sete disciplinas das áreas de ciência e tecnologia, em duas licenciaturas e três engenharias. As 122 respostas foram tratadas por estatística descritiva e analisadas comparativamente. Embora haja uma tendência de acolhimento, interesse e percepção positiva sobre a sala de aula invertida, os resultados não são homogêneos e se constatou um preocupante contingente de estudantes resistentes.</p> 2020-09-03T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11283 Análise da proximidade entre as questões do Enem e as novas orientações da BNCC para a Física no ensino médio 2021-04-19T17:53:11-03:00 Alisson Giacomelli alissongiacomelli@upf.br Felipe Serro Algeri 159160@upf.br Luiz Marcelo Darroz ldarroz@upf.br <p>Neste trabalho, apresenta-se uma análise comparativa entre as novas orientações da Base Nacional Comum Curricular para a área de Ciências da Natureza e as questões de Física encontradas nos anos de 2016, 2017 e 2018 na primeira aplicação da prova do Enem. Pesquisas anteriores relatam o ganho de importância dessa prova após passar a servir como forma de ingresso no ensino superior, mas também apontam tentativas falhas em contextualizar assuntos e em realizar a interdisciplinaridade. Com o advento da BNCC, surgiu a oportunidade de reavaliar a prova do Enem, a fim de compreender as tendências desta e prever adaptações para o cumprimento das novas orientações nacionais. Ao todo, foram avaliadas 40 questões de Física do Enem e 26 habilidades de três competências distintas da BNCC, na busca por correlações entre elas. Aparentemente, a prova possui uma tendência conteudista, o que vai de encontro com a maior parte das habilidades da Base. Alguns assuntos da Física ainda precisam ser inseridos na prova. Na parte de contextualização e da interdisciplinaridade, as provas analisadas apresentam melhora em comparação com pesquisas anteriores. A Base traz uma preocupação grande com o conhecimento do método e do desenvolvimento da Ciência, além da capacidade de aplicação do método e de análise e difusão de informações científicas, sendo possível que futuras provas também reservem espaço para tais discussões.</p> 2021-03-01T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10970 ANÁLISE DE ASPECTOS SOCIOCIENTÍFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA PARA A PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2021-04-19T17:53:12-03:00 João Paulo Stadler joao.stadler@ifpr.edu.br Mariana da Silva Azevedo mariana.azevedo@ifpr.edu.br <p>Investigar possibilidades para o uso do livro didático é relevante devido à importância desse recurso didático, ao ponto de se tornar o único instrumento de estudo para o aluno e de apoio ao professor, em razão da ampla distribuição promovida pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) no país. Dentre as várias concepções de ensino de Química, a abordagem de Aspectos Sociocientíficos (ASC) utiliza a contextualização com base em temas socialmente relevantes mobilizados pela discussão de controvérsias pautada no conhecimento científico. Por isso, investigar como os livros didáticos de Química abordam ASC em sua concepção e elaboração pode auxiliar os professores a empregar essa concepção de ensino. Esta pesquisa foi centrada na análise dos livros de Química destinados à primeira série do Ensino Médio pelo PNLD. A metodologia empregada foi a análise categorial de conteúdo baseadas nos indicadores: tema global, presença de controvérsia e critérios de relevância para classificar os textos em potenciais promotores de discussões sociocientíficas. Posteriormente foi delimitado o tipo de abordagem e o tipo de controvérsia apresentados. Verificou-se que as grandes diferenças entre as obras impedem sua comparação por fragmento. Dessa forma, optou-se por fragmentá-las na categorização, produzir um perfil para as obras e, a partir dele, compará-las. Embora todas as obras tenham apresentado fragmentos com potencial de fomentar a discussão sociocientífica, os livros não trazem todas as informações necessárias para a discussão controvertida. Além disso, constatou-se a necessidade de aumentar a quantidade de temas de contexto e tipos de abordagem para abarcar os exemplos contidos nos livros.</p> 2020-06-29T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11077 BOTÂNICA, CAI TANTO ‘ENEM’ SABIA! UMA ANÁLISE DO PERFIL DOS ITENS NO ENEM 2021-04-19T17:53:12-03:00 Rogério Soares Cordeiro rocordeiro1@yahoo.com.br Magno Ferreira Sousa magnoferreirasousa@gmail.com Elson Silva Sousa elson.sousa@ifma.edu.br Jesuino da Silva Costa Martins jesuino.martins@ifma.edu.br Jaiane Nunes Alves jayany.alves16@gmail.com Maria Izaiane Lourenço Silva izayanneizayanne@hotmail.com Kléber Sales Pereira kleber.pereira@ifma.edu.br <p>Botânica é uma das áreas da Biologia que, historicamente, enfrenta problemas no modo como tem sido ensinada, o que pode ser reflexo de certa cegueira, no que tange às plantas, de um modo geral. O objetivo deste trabalho foi identificar o perfil das questões de Botânica no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM, desde sua gênese, em 1998, até a última edição, em 2019. A pesquisa de cunho descritivo-analítica teve a produção de dados realizada por meio da pesquisa documental e a discussão dos resultados deu-se por análise de categorias. Foram analisadas 22 provas, num total de 156 itens, reorganizados em subcategorias: interdisciplinares, ecologia, evolução, fisiologia, anatomia, citologia e histologia. Os resultados indicam que 49,35% dos itens que abordam botânica são interdisciplinares, atendendo ao que prevê o INEP e a BNCC. As demais subcategorias são marcadas por outro traço do exame, a contextualização e a presença de situação-problema. Pretende-se, com esta publicação, criar mais uma ferramenta que auxilie no combate à ‘cegueira botânica’, sem priorizar o caráter propedêutico do exame, mas estimulando, a partir de uma prova com tamanha relevância, o desenvolvimento de competências e habilidades por meio de dimensões de abordagens, tais como: ambiental, filosófica, cultural, histórica, médica, ética, estética, dentre outras, que surgem.</p> 2020-11-23T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10956 Ciências para as crianças: a Transposição Didática na formação inicial em Pedagogia como processo criativo de (trans)formação 2021-04-19T17:53:12-03:00 Giseli Duarte Bastos giselibastos@gmail.com Rosemar de Fátima Vestena rosemarvestena@gmail.com Lenira Maria Nunes Sepel lenirasepel@gmail.com <p>Tendo em vista a curiosidade natural das crianças em questionar, testar e criar, torna-se latente que o ensino das Ciências da Natureza para os primeiros anos escolares valorize e estimule tais características, aliando-as aos aspectos da própria Ciência e de seu desenvolvimento. Para tanto, emerge a necessidade de investir-se em uma formação inicial de Pedagogos voltada a esse fim. A partir de uma disciplina sobre o Ensino de Ciências, ofertada a estudantes de Licenciatura em Pedagogia, de uma Instituição Pública de Ensino Superior, da região central do Rio Grande do Sul, Brasil, nos propomos a analisar a produção de planejamentos de atividades voltadas às Ciências da Natureza para os anos iniciais, elaborados pelas alunas ao final da disciplina. Objetivamos investigar como se deu o processo de Transposição Didática (TD) dos conhecimentos. Para tanto, à luz da Análise de Conteúdo, elegemos quatro elementos organizativos da análise, considerando a influência: das crianças ao perguntarem, das políticas públicas, da formação inicial e das concepções pessoais das estudantes. A análise dos dados demonstrou o processo de TD como um produto inédito para cada futura docente. As estudantes elaboraram seus planejamentos explorando aspectos epistemológicos, pedagógicos e psicológicos das Ciências, valorizando as características infantis aliadas ao fazer científico. Nossos resultados reiteram o quanto um processo formativo inicial pode suscitar fagulha de (trans)formação nos sujeitos que os compartilham, reforçando a responsabilidade dos Cursos de Pedagogia em oferecerem oportunidades de formação que valorizem ideias e estimulem a criação e a autonomia em Ciências.</p> 2020-11-23T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10902 Formação continuada de professores do Ensino Fundamental: percepções a respeito da pesquisa científica e sua contribuição para auxiliar na Feira do Conhecimento 2021-04-19T17:53:13-03:00 Caroline Medeiros Martins de Almeida bio_logia1@hotmail.com Camila Maria Bandeira Scheunemann camila.b91@hotmail.com Letícia Azambuja Lopes leazambuja@gmail.com Paulo Tadeu Campos Lopes pclopes@ulbra.br <p>O objetivo desse estudo foi analisar as percepções de professores do Ensino Fundamental sobre pesquisa científica, suas dificuldades de implementação nesse nível de ensino e qual a contribuição da formação realizada para a orientação da pesquisa científica para a Feira do Conhecimento. Trata-se de um estudo de caso com natureza qualitativa, envolvendo 81 professores dos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental de 24 escolas de uma rede municipal da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Foi aplicado um questionário sobre o perfil profissional, conhecimentos sobre pesquisa científica e as percepções dos professores sobre a formação, que foi analisado com base na Análise de Conteúdo. Os resultados revelaram que os professores consideram importante trabalhar a pesquisa científica com os alunos, e apontaram como dificuldades mais impactantes na implementação da pesquisa científica no Ensino Fundamental aspectos como a falta de tempo para desenvolvê-la na escola e a falta de recursos para esta finalidade. Atribuíram a formação como válida por melhorar o entendimento sobre o assunto, garantir suporte e orientação para a aplicação da pesquisa científica em sala de aula e auxiliar na construção de trabalhos para a Feira do Conhecimento.</p> 2021-01-29T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12194 Metacognição e seus 50 anos: cenários e perspectivas para o Ensino de Ciências 2021-04-19T17:53:13-03:00 Cleci Teresinha Werner da Rosa cwerner@upf.br Nancy Nazareth Gatzke Corrêa, NNGC nancyngatzke@gmail.com Marinez Meneghello Passos, MMP marinezpassos@uel.br Sergio de Mello Arruda, SMA sergioarruda@uel.br <p>Os estudos envolvendo metacognição completam 50 anos e revelam uma diversidade de áreas que tem utilizado esse conceito que foi cunhado por Flavell na década de 1970. Além disso, e mais próximo do contexto educacional, a metacognição tem sido apontada como uma proposta que contribui para a aprendizagem, o que tem oportunizado um olhar mais atento aos componentes metacognitivos (e seus respectivos elementos). Considerando a possibilidade de fazer um tributo a John Hurley Flavell que publicou seu primeiro artigo no ano de 1971 apresentando o termo <em>metamemory</em> que deu origem à denominação metacognição, elaboramos este artigo. Nele divulgamos um conjunto de estudos que abordam a utilização da metacognição em salas de aulas em Ciências, apresentando as características e os impactos dessas práticas, bem como trazendo novas possibilidades de estudos e intervenções. Para isso: introduzimos o termo historicamente e alguns detalhes a respeito das primeiras investigações realizadas; descrevemos diversas reflexões sugeridas por quem buscou avançar na compreensão e na aplicação da metacognição em inúmeras áreas; elencamos resultados de pesquisas ocorridas em salas de aulas; destacamos as possibilidades de escolhas e caminhos praticáveis para um Ensino de Ciências pautado em experiências metacognitivas.</p> 2021-01-25T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12246 Contribuições das disciplinas experimentais da Licenciatura em Física para a formação dos saberes docente 2021-04-19T17:53:13-03:00 Nelson Luiz Reyes Marques nlrmarques@gmail.com Gilberto Orengo g.orengo@gmail.com <p>As pesquisas apontam lacunas na formação inicial de professores, principalmente, devido a separação entre os saberes disciplinares e os saberes pedagógicos.&nbsp; Também mostram que as aulas de laboratório estão associadas a roteiros fechados e centradas no modelo aplicacionista, priorizando os conhecimentos específicos da Física e o método científico, em detrimento de uma formação pedagógica adequada para a sua utilização no Ensino Médio, ignorando seu potencial mediador para a Transposição Didática dos saberes. Este trabalho apresenta resultados de uma pesquisa desenvolvida com o objetivo de avaliar as contribuições das disciplinas de Física Experimental das Licenciaturas em Física para a construção dos saberes docentes, a partir dos conceitos de saberes propostos por Tardif e da Transposição Didática na visão de Chevallard. A metodologia de pesquisa foi o estudo de caso qualitativo, referenciado em Stake. Como instrumento para coleta de dados foram utilizados questionários, aplicados online para 65 professores de todo o Brasil, e entrevistas semiestruturas, aplicadas para 16 professores formados nas universidades do Rio Grande do Sul que apresentam Licenciatura e Bacharelado. A pesquisa mostrou a necessidade de uma atualização das disciplinas de Física Experimental da Licenciatura em Física, a fim de que contribuam mais significativamente para a formação dos professores que atuam no Ensino Médio.</p> 2021-03-03T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11233 VALIDAÇÃO DE UM OPINÁRIO SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL 2021-04-19T17:53:14-03:00 Alexandre Luis Junges alexandre.junges@ufrgs.br Fernado Lang da Silveira lang@if.ufrgs.br Neusa Teresinha Massoni neusa.massoni@if.ufrgs.br <p>O aquecimento global tem sido reconhecido por especialistas como um tema prioritário da agenda da educação ambiental para o século 21. Cientistas têm alertado sobre a necessidade de lidar com o desafio das mudanças climáticas causadas pelas emissões antropogênicas de gases de efeito estufa. Apesar disso, a percepção sobre o tema entre o público leigo é difusa. No contexto internacional, estudos têm revelado que um número considerável de cidadãos leigos não acredita em aquecimento global antropogênico, ou consideram que não existe consenso científico a respeito dessa matéria. Neste sentido, tendo em vista a importância do tema e as diferenças de opinião entre o leigo e o especialista, averiguadas em contextos internacionais, torna-se relevante desenvolver pesquisas similares no contexto brasileiro local. O presente trabalho descreve o desenvolvimento de um instrumento de medida capaz de avaliar a opinião de cidadãos&nbsp; e alunos em diferentes níveis de ensino, no contexto brasileiro, sobre a temática do aquecimento global. Para tanto, são descritos os passos de desenvolvimento, aplicação e validação de um opinário sobre aquecimento global. O opinário, composto de doze itens, foi disponibilizado online em redes sociais e listas de e-mails através do software LimeSurvey, obtendo-se um total de 1084 respostas. Descrevemos o processo de validação de conteúdo e de construto do opinário que culminou em um instrumento de medida apropriado para quantificar o grau de concordância ou discordância de sujeitos frente ao construto “aquecimento global antropogênico”. Por fim, são discutidas possíveis correlações entre as variáveis de caracterização da amostra de sujeitos e a crença no aquecimento global antropogênico.&nbsp;</p> 2021-03-01T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11576 ATIVIDADES EXPERIMENTAIS E COMPUTACIONAIS NO ENSINO DE FÍSICA: UMA REVISÃO DA LITERATURA 2021-04-19T17:53:14-03:00 Rosivaldo Carvalho Gama Júnior rosivaldo.junior@ueap.edu.br Italo Gabriel Neide italo.neide@univates.br Marco Antonio Moreira moreira@if.ufrgs.br <p>Este é um estudo do tipo bibliográfico que tem como tema a integração de atividades experimentais e computacionais no ensino de Física. Os objetivos deste artigo são de sintetizar e analisar características apontadas pelas publicações em relação às atividades experimentais e computacionais no Ensino de Física. Para isso, foi realizada uma pesquisa sobre as produções científicas entre os anos de 2007 a 2019 referentes ao tema supracitado, assim buscaram-se por teses, dissertações e artigos no Banco de Teses e Dissertações da CAPES, Revista Brasileira de Ensino de Física (RBEF), Caderno Brasileiro de Ensino de Física (CBEF), Simpósio Nacional de Ensino de Física (SNEF), Encontro Nacional de Pesquisas em Educação em Ciências (ENPEC) e Encontro de Pesquisas em Ensino de Física (EPEF). Após o levantamento, foi possível identificar que dos 399 trabalhos iniciais, somente 22 tratavam da temática pesquisada, porém apenas 13 foram sintetizados e analisados por se tratarem de dissertações e teses. A partir da análise das produções encontradas, foi possível inferir que o uso das atividades experimentais e as computacionais quando associadas, se complementam no sentido de auxiliarem nos processos de ensino e de aprendizagem, bem como convergem na perspectiva de despertar o interesse do aluno e facilitar o entendimento de conceitos físicos.</p> 2021-03-03T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10729 PESQUISA BASEADA EM DESIGN: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA SITUAÇÃO-PROBLEMA ENVOLVENDO O TEOREMA DE PITÁGORAS 2021-04-19T17:53:14-03:00 Charles Bruno da Silva Melo xarlesdemelo@yahoo.com.br Glaucia Cabral Moraes glauciamoraes@unisc.br Eleni Bisognin eleni.bisognin@gmail.com Aline Grohe Schirmer Pigatto agspigatto@gmail.com <p>O presente trabalho teve por objetivo analisar a eficácia de um artefato pedagógico, nesse caso, uma situação-problema sobre o Teorema de Pitágoras em uma turma do 9º ano do Ensino Fundamental a partir das etapas propostas por Reeves (2000) para a Pesquisa Baseada em Design (PBD). A pesquisa envolveu um grupo de quatro professores de Matemática e uma turma de 9º ano composta por 30 alunos de uma escola privada de Santa Cruz do Sul/RS. O estudo se desenvolveu a partir de uma revisão teórica sobre a PBD, bem como foi estrutura nas quatro fases: descrição do problema educativo, descrição do desenvolvimento do artefato pedagógico a partir de uma teoria norteadora, descrição da intervenção pedagógica e descrição de princípios de design.&nbsp; De natureza qualitativa, teve como instrumentos de coleta de dados: a observação participante, durante o desenvolvimento das atividades realizadas pelos alunos no laboratório de informática, e o diário de campo, do pesquisador e do professor titular da turma. Os resultados demonstram que é necessário um envolvimento coletivo dos professores para um planejamento efetivo, assim como objetividade no trabalho docente. Igualmente, deve-se fazer o planejamento do tempo para as atividades que serão desenvolvidas em sala de aula com a exploração do artefato, para proporcionar um maior aproveitamento educacional. Em relação à aplicação do artefato, mesmo sendo necessários alguns ajustes, pode-se afirmar que a situação-problema se configurou como um bom artefato pedagógico, visto que promoveu um envolvimento dos alunos durante toda atividade, proporcionou o uso do software GeoGebra como uma ferramenta pedagógica e permitiu que os estudantes pudessem discutir e refletir de modo coletivo sobre o conteúdo.</p> 2021-01-14T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10751 USO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE INDEPENDÊNCIA-CE 2021-04-19T17:53:14-03:00 Breno Machado de Almeida brenomachado47@gmail.com Maurício dos Santos Araújo mauriciosanges11@hotmail.com Nilson de Souza Cardoso nilson.cardoso@uece.br Jaqueliene Rabelo de Lima jaqueline.lima@uece.br <p>Um dos maiores desafios no ensino de Ciências é despertar nos alunos o interesse e a curiosidade pelos processos básicos da vida. Com o objetivo de contribuir nesse processo, as metodologias alternativas de ensino vêm se destacando como estratégias promissoras no processo de ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, este trabalho utilizou metodologias alternativas, dentre as quais, aulas teórico-práticas, produção e uso de modelos e jogos didáticos, para abordar o tema, microscopia e citologia, com alunos do 8º ano do Ensino Fundamental II da Escola de Ensino Fundamental Maria do Carmo Cardoso, Independência-CE. Os resultados demonstraram que o uso de metodologias diferenciadas foi exitosa, uma vez que, promoveu uma aprendizagem significativa dos conteúdos trabalhados. Conclui-se que essas estratégias didáticas podem ser adotadas no ensino de ciências com o objetivo de tornar o processo de ensino-aprendizagem mais dinâmico e atrativo, além de proporcionar ao aluno uma aprendizagem significante.</p> 2020-11-18T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10856 Nanoestruturas em cosméticos: O que pensam estudantes de um curso técnico e as implicações da Ciência e Tecnologia nos produtos que utilizam nanoestruturas 2021-04-19T17:53:15-03:00 Letícia Cantiliano Perez leticiacantiliano@gmail.com Leandro Duso dusoleandro@gmail.com Paulo Henrique Guadagnini pguadagnini@gmail.com Renata Lindemann relindemann1311@gmail.com <p>O presente artigo tem como objetivo discutir as compreensões de estudantes de um curso técnico em estética, sobre a presença de nanoestruturas na composição dos cosméticos, na perspectiva de uma Alfabetização Científica e das implicações da Ciência e Tecnologia CT&nbsp; nos produtos que utilizam as mesmas. A pesquisa, de caráter qualitativo, foi realizada em duas intervenções, as quais forneceram subsídios através de questionários, vídeos, artigos, relatórios e pesquisas para que surgisse um debate de ideias, com todas essas contribuições&nbsp; a intenção foi de que as estudantes&nbsp; construíssem um processo&nbsp; de reflexão e debate sobre o consumo de nanocosméticos em seu cotidiano. A partir da análise dos materiais&nbsp; coletados emergiram duas categorias: Visão ingênua sobre nanopartículas&nbsp; em cosméticos e Implicações da CT nos produtos que utilizam nanopartículas. Na primeira foi observada uma visão simplista das estudantes frente a essa realidade, sem ao menos problematizar o uso desses nanocosméticos&nbsp; e seus possíveis malefícios para a saude humana e para o meio ambiente, apresentando um conhecimento superficial sobre o tema, porém, a partir da intervenção tiveram a oportunidade de reorganizar, reelaborar e ressignificar suas compreensões sobre a presença da nanotecnologia em cosméticos. Em relação as implicações foi possível notar que a falta de conhecimentos&nbsp; inter-relacionados da CT com a realidade, forma profissionais acríticos e alheios aos seus direitos e deveres como cidadãos. Conclui-se&nbsp; a partir&nbsp; do exposto que é necessário que&nbsp; processos técnicos formativos considerem aspectos da Educação CTS em seus currículos, para a formação de indivíduos conscientes do seu papel na sociedade, com uma visão ampla dos reais problemas vivenciados nas suas profissões e as implicações destes na atualidade e ainda com conhecimento técnico para uma tomada de decisão consciente sobre o que lhes é ofertado.</p> 2020-11-23T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10897 Traçando um perfil para o professor de Física da Educação Básica: o que preconiza a legislação brasileira? 2021-04-19T17:53:15-03:00 Lisiane Araujo Pinheiro lisianearaujopinheiro@gmail.com Neusa Teresinha Massoni neusa.massoni@ufrgs.br <p>O presente texto compõe uma pesquisa mais abrangente que, no âmbito de uma tese de doutorado, pretende refletir a formação inicial de professores de Física no Brasil. Este artigo discute o perfil do educador de Física a partir de uma análise dos documentos legais que regem o Ensino Médio e o Ensino Superior. A elaboração desse perfil foi dividida em duas etapas: a primeira apresenta o perfil do professor de Física esperado pelos documentos legais que regem o Ensino Médio, que é o maior espaço de atuação do licenciado em Física; a segunda mostra o perfil pretendido do licenciado em Física a partir dos documentos que orientam a Formação de Professores no Ensino Superior. Com a constituição desse perfil, promove-se sua articulação com referenciais teóricos e com a literatura sobre saberes docentes e, assim, pensa-se em investigações mais propositivas na tese. Contudo, entende-se que mostrar esses perfis pode contribuir com o debate vigente sobre a formação de professores em nosso país, especialmente dada a complexidade de saberes, capacidades, habilidades, valores e ações que se espera desse educador segundo os documentos oficiais.</p> 2020-12-07T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11285 SALA DE AULA INVERTIDA: PERCEPÇÕES DOCENTES E DISCENTES A PARTIR DE UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS AULAS DE TÓPICOS EM QUÍMICA NA PÓS-GRADUAÇÃO 2021-04-19T17:53:15-03:00 Augusto Freitas agofqmc@gmail.com Caroline Raquel Bender carolinebender@unipampa.edu.br Valesca Brasil Irala valescairala@unipampa.edu.br Graziela Carrazzoni dos Santos carrazzoni.unipampa@gmail.com Mariane da Rosa Minhos marianeminhos@gmail.com Willian da Silva Chaves william.chaves.rs@gmail.com <p>O uso de metodologias ativas tem sido amplamente discutido em todos os níveis de ensino como uma tendência para a superação das aulas em um formato exclusivamente transmissivo e focado no professor, para dar protagonismo aos&nbsp; discentes durante o desenvolvimento didático. A crítica aos modelos tradicionais de ensino não é recente e tem sido amplamente discutida pela comunidade acadêmica; entretanto, para além do aparato teórico mobilizado quando um docente se dispõe a adotar uma metodologia ativa, seja ela qual for, torna-se necessário contrapor os pressupostos do modelo adotado ao que, de fato, é possível operacionalizar em cada contexto específico, com suas próprias características, expectativas e dificuldades, para, a cada nova experiência docente com o uso da metodologia adotada, outros aspectos não previstos pelo aparato teórico serem (re)dimensionados à luz da prática docente. Nesse sentido, este trabalho se configura como um relato de experiência a respeito do uso da metodologia da Sala de Aula Invertida (SAI), na disciplina de Tópicos em Química, em um curso de Especialização em Ciências Exatas e Tecnologia, ofertado em uma universidade pública no interior do Rio Grande do Sul. O texto do relato apresenta dois focos: no primeiro, o enquadramento docente sobre a experiência e, no segundo, a percepção dos alunos a respeito do modelo SAI, a partir de um questionário com perguntas abertas, respondido ao término da disciplina. Os resultados apontam que, no contexto em questão, ou seja, um curso de especialização<em> lato sensu,</em> foram evidenciados ganhos na aprendizagem dos discentes e as dificuldades pontuais na compreensão dos conteúdos previstos pela disciplina foram equalizadas durante as aulas presenciais. Por sua vez, alguns discentes, ao avaliarem a transposição da SAI, especialmente para o contexto da Educação Básica, embora evidenciem as vantagens do modelo, também apontam alguns desafios, os quais precisam ser equacionados ou minimamente previstos durante cada experiência de ensino, de forma a compreendê-la sempre de maneira situada.</p> 2020-12-21T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/11083 Seguindo as pegadas de Sherlock Holmes: uma proposta de atividade investigativa utilizando novas tecnologias 2021-04-26T11:04:09-03:00 Paulo Victor Santos Souza paulo.victor@ifrj.edu.br Fernando dos Santos Neto fernando_zell@hotmail.com Marta Maximo-Pereira martamaximo@yahoo.com <p>Repensar o papel das novas tecnologias da informação e comunicação (TIC) no ensino e refletir sobre a forma de se trabalhar assuntos da Cinemática no Ensino Médio são duas questões que estão colocadas para a pesquisa em Ensino de Física. Neste trabalho é apresentada uma proposta de atividade investigativa experimental que envolve o uso das TIC na elaboração de um modelo para o caminhar de uma pessoa. A questão que dá ensejo à atividade se baseia em um fragmento do livro “Um estudo em vermelho”, no qual o famoso personagem Sherlock Holmes fez sua estreia na literatura. Os dados do experimento são obtidos e tratados mediante o uso dos softwares livres <em>Tracker</em> e <em>LibreOffice/Calc</em>. Este artigo busca mostrar que as TIC podem fornecer uma importante contribuição à aprendizagem de conhecimentos e de práticas que caracterizam o fazer científico, desde que sejam utilizadas no contexto de atividades elaboradas para tais finalidades, sendo o ensino por investigação uma abordagem didática apropriada para isso.</p> 2020-11-23T00:00:00-03:00 ##submission.copyrightStatement##