http://seer.upf.br/index.php/rbecm/issue/feed Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Matemática 2021-10-20T16:28:24-03:00 Aline Locatelli alinelocatelli@upf.br Open Journal Systems <p>&nbsp;</p> <p>As <strong>submissões</strong> de artigos para a RBECM estão <span style="text-decoration: underline;"><strong>ABERTAS</strong></span>.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>A<strong>&nbsp;RBECM</strong> possui publicação semestral sob a responsabilidade do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM), voltada exclusivamente para a pesquisa na área de ensino/aprendizagem de Ciências (Física, Química, Biologia ou Ciências Naturais, quando enfocadas de maneira integrada) e Matemática.</p> <p>Este periódico tem como objetivo principal a divulgação aberta de trabalhos relevantes e originais em pesquisa em ensino de Ciências e Matemática para a comunidade internacional de pesquisadores.</p> <p>ISSN:&nbsp;<strong>2595-7376</strong></p> http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12919 Expediente 2021-10-19T14:32:27-03:00 Aline Locatelli alinelocatelli@upf.br 2021-09-03T15:28:59-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12917 Editorial 2021-10-19T14:32:26-03:00 Nathan W. Lima Nathan.lima@ufrgs.br Andreia Guerra andreia.moraes@cefet-rj.br Cleci Teresinha Werner da Rosa cwerner@upf.br 2021-09-03T15:26:02-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12905 Histórias plurais para a construção de um mundo comum: como História, Filosofia e Sociologia das Ciências na Educação em Ciências podem contribuir para construção do mundo Pós-Pandemia 2021-10-19T14:32:25-03:00 Nathan W. Lima Nathan.lima@ufrgs.br <p>Vivemos um mundo de profunda hibridização entre natureza e sociedade. Por um lado, a ação humana afetou e afeta diretamente a constituição do próprio planeta, ensejando, para alguns, o início de um novo tempo, o Antropoceno. Por outro lado, agentes não-humanos, como vírus, impactam eleições, a economia e a forma como as pessoas vivem. Tais interrelações motivam a proposição de uma cosmopolítica. É por meio da cosmopolítica que podemos, coletivamente, construir um mundo comum, mais justo e viável para todos. Tal processo, entretanto, é extremamente complexo e demanda conhecimentos e práticas de diferentes campos de atuação humana. O primeiro objetivo deste trabalho é discutir a noção de que a inserção de História, Filosofia e Sociologia (HFS) das Ciências na Educação em Ciências pode ser uma forma potente de educação para a construção do mundo comum mais justo. O segundo objetivo é propor a interpretação de que diferentes tendências historiográficas, filosóficas e sociológicas – usualmente vistas como concorrentes ou excludentes – podem ser interpretadas como complementares no espaço pedagógico, de forma que a pluralidade teórica é um caminho necessário para o mundo comum.</p> 2021-09-01T17:06:50-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12911 O centenário debate sobre a interpretação e os fundamentos da Física Quântica 2021-10-19T14:32:27-03:00 Olival Freire Junior olival.freire@gmail.com <p>Apresentamos reflexões sobre a história da mecânica quântica, em especial do debate sobre os fundamentos e interpretações desta teoria científica. Tais reflexões podem ser de utilidade no contexto dos preparativos para o projeto sobre o centenário da mecânica quântica, em 2025. Considerando-se a controvérsia sobre os fundamentos desta teoria como uma controvérsia também quase centenária, examinamos três aspectos: a atitude dos físicos face à pesquisa em fundamentos da teoria quântica, a atitude dos filósofos da ciência face à controvérsia e o papel dos experimentos na elucidação desta controvérsia. As lições que extraímos desta análise podem ser de utilidade no ensino da teoria quântica, particularmente nas primeiras etapas do contato dos estudantes com esta teoria científica.</p> 2021-09-02T16:44:16-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12908 Considerações metodológicas sobre o uso de fontes primárias no ensino de Física 2021-10-19T14:32:27-03:00 Ricardo Karam ricardo.karam@ind.ku.dk <p>Há mais de cem anos ensinamos e aprendemos física por meio de livros didáticos. Para membros externos a essa comunidade, pode parecer estranho termos que aprender sobre "leis de Newton”, "equações de Maxwell” ou “teorema de Noether", sem consultarmos as obras escritas por esses autores. Neste trabalho apresento dois episódios que ilustram o uso de fontes originais no ensino de mecânica e termodinâmica. O objetivo dos episódios é tentar extrair aspectos metodológicos gerais que conduzam a um uso produtivo de fontes primárias no ensino de física.</p> 2021-09-02T16:02:25-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12899 Novas perspectivas historiográficas para história de ciências no ensino: discutindo possibilidades para uma educação em ciências mais política 2021-10-19T14:32:28-03:00 Andreia Guerra andreia.moraes@cefet-rj.br <p>Pesquisas no campo da educação em ciências indicam que abordagens históricas em sala de aula são promissoras para um ensino sobre a ciência. Apesar da abrangência dessas pesquisas, o fato delas estarem situadas na fronteira entre a educação em ciências e a História da Ciência faz com que as problemáticas tensionadas por esses dois campos tragam novas considerações, ampliando os olhares e as perspectivas para as abordagens históricas. Nesse artigo, que se constitui num ensaio, pressupondo que justiça social é uma perspectiva importante para a educação em ciências, discutiremos possibilidades para o ensino sobre ciência trazidas por novas perspectivas historiográficas para a História da Ciência. Para tal, apresentaremos brevemente caminhos seguidos pela História da Ciência que levaram a perspectivas historiográficas atuais e a que questões elas se dedicam. Concluímos o ensaio argumentando como esse caminhar aponta possibilidades de discussões em aulas de ciências sobre as relações de poder no processo de formação da ciência e para o caráter dinâmico dessas relações.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-09-01T16:24:16-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12903 O Fenômeno Cultural do Misticismo Quântico: possibilidades e perspectivas de investigação 2021-10-19T14:32:29-03:00 Marcia Tiemi Saito marcia.saito@ifpr.edu.br <p>O fenômeno cultural do misticismo quântico tem provocado reações diversas entre físicos, educadores e pesquisadores da área de Ensino de Física, pela grande popularização que o termo “quântico” adquiriu nas últimas décadas, em âmbitos que transcendem a área da física. Trata-se de um fenômeno complexo e multifacetado, que toca em questões como a natureza da ciência, as fronteiras entre o conhecimento científico e o não científico, questões de fundamentos da Física Quântica e suas implicações para a ciência e para a Educação Científica (EC). O objetivo do presente trabalho é apresentar um panorama dos principais temas relacionados a esse fenômeno, que têm sido explorados nos últimos anos, a fim de identificar novas possibilidades de pesquisa. Para isso, os temas serão apresentados a partir das perspectivas histórica, filosófica, social e educacional. Conclui-se que ainda existem muitas possibilidades de análise desse fenômeno, nas áreas de história, filosofia e sociologia da ciência e na compreensão e na busca de soluções para os seus impactos na ciência e na EC. Espera-se que este trabalho possa contribuir para fornecer um panorama geral dos problemas em aberto, que seja um ponto de partida para novas investigações e que inspire outros pesquisadores a explorarem o tema.</p> 2021-09-01T16:53:37-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12904 Ciência e Valores: uma leitura epistemologicamente guiada de fontes primárias 2021-10-19T14:32:31-03:00 Marinês Domingues Cordeiro marines.ufsc@ufsc.br <p>Introduzo a temática da relação entre ciência e valores, um problema lógico que tem origem no problema da indução e na crítica ao positivismo lógico, com o escrutínio do conceito de subdeterminação. O objetivo geral é apresentar duas teses filosóficas com capacidade heurística bastante interessante para o Ensino de Física e de Ciências, em geral, sobretudo àqueles que, trabalhando com história da ciência no ensino, gostariam de poder examinar os potenciais filosóficos de algumas fontes primárias. O modelo triádico de justificação, desenvolvido por Larry Laudan, é um construto simultaneamente crítico ao positivismo e ao pós-positivismo. Por ser focado precisamente na justificação, tem o poder de permitir as análises de documentos como as Conferências Nobel, por exemplo. Reconhecendo a relação reticulada entre métodos, teorias e objetivos que faz um cientista ou uma comunidade, é possível olhar esses documentos e compreender o processo de racionalização ao qual eles aludem. Analiso a Conferência Nobel de Marie Curie, de modo a mostrar as inter-relações e ajustes entre métodos, teorias e objetivos anunciados pela física, em 1911, que culminaram em uma reestruturação da própria Química. Prosseguindo em relação às teses filosóficas, a ciência como conhecimento social, defendida por Helen Longino, é apresentada e, especificamente a importância dos tipos de crítica intersubjetiva, evidenciais e conceituais, elencados pela filósofa. Tais críticas servem de instrumento heurístico para a análise do trabalho “Sobre o elemento 93” de Ida Noddack, revelando como a subdeterminação de certas evidências pode gerar novas hipóteses, como neste caso, a da fissão nuclear.</p> 2021-09-01T17:01:29-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12900 Para quê história da ciência no ensino? Algumas direções a partir de uma perspectiva sociopolítica 2021-10-19T14:32:32-03:00 Cristiano B. Moura cristiano.moura@cefet-rj.br <p>A partir da consolidação do campo de História, Filosofia e Sociologia na Educação em Ciências, é possível notar a solidificação dos argumentos que se utilizam comumente para defender a utilização de abordagens históricas na Educação em Ciências. Considerando as mudanças pelas quais passou o mundo desde os primórdios do campo e o momento crítico que vivemos hoje, este ensaio teórico direciona-se a investigar outras perspectivas e argumentos podem ser construídos hoje para as abordagens históricas na Educação Científica. Para isso, inicialmente retomo os argumentos mais comuns para defender o uso de abordagens históricas na Educação Científica, analisando-os à luz de alguns avanços do campo. Apresento o emergente turno sociopolítico na Educação Científica, apreciando possibilidades de expansão dos argumentos analisados inicialmente, em diálogo com autores do turno sociopolítico da Educação Científica. Por fim, são apresentados cinco argumentos abrangentes sobre por que abordar a história da ciência na Educação Científica.</p> 2021-09-01T16:28:07-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12816 O ensino de Física e a prática da ciência: aproximando-os com filosofia de modelos científicos no caso da Física de partículas 2021-10-19T14:32:32-03:00 João Pedro Ghidini joao.ghidini.silva@usp.br André Fantin andre.fantin@usp.br Ivã Gurgel gurgel@if.usp.br Marcelo Gameiro Munhoz munhoz@if.usp.br <p>Mundialmente, formuladores de políticas públicas, pesquisadores em educação científica, professores e alunos defendem o ensino de tópicos da Física Moderna e Contemporânea na educação básica. Dentre esses tópicos, investiga-se a potencial introdução da Física de Partículas no ensino médio. Neste contexto, há quase duas décadas, surgiram diferentes propostas críticas com relação às abordagens do tipo “Lista de Compras”, que consiste em um ensino que se reduz a apresentar inúmeras partículas elementares. Neste trabalho, propomos um currículo baseado em engajamento, que busca ensinar <em>a </em>ciência e <em>sobre </em>a ciência. A argumentação <em>sobre </em>a ciência é vinculada às pesquisas desenvolvidas na área de Natureza da Ciência. Posteriormente, identificamos os Diagramas de Feynman como modelos a partir da concepção pragmática da Filosofia da Ciência.&nbsp; Por fim, a partir dessa argumentação, analisamos algumas propostas de ensino que já superaram a “Lista de Compras” vinculadas aos Diagramas de Feynman, e as comparamos a nossa proposta.</p> 2021-08-10T13:00:49-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12798 A invisibilidade das mulheres na física: um recorte nos últimos 12 anos na produção de eventos e revistas de alto impacto 2021-10-19T14:32:33-03:00 Camila de Andrade Pandini camila1999andrade@gmail.com Roberta Chiesa Bartelmebs roberta.bartelmebs@ufpr.br Maria Milena Figueira Tegon milenategon@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">A participação das mulheres nas carreiras científicas, tem sido um tema muito recorrente nos estudos atuais. Pesquisas têm mostrado que, em determinadas áreas, a participação feminina tem aumentado e até ultrapassado homens, mas isso não se aplica ao caso da Física. Um dos desafios para a maior representatividade de mulheres na carreira de Física, é causado por ser uma área considerada essencialmente masculina por muitos, o que resulta na desmotivação de meninas em seguir neste campo. Entendemos que uma das maneiras de mudar esta visão de mundo sobre as mulheres na Física, é a&nbsp; maior representatividade delas em revistas ou eventos científicos da área. O presente artigo faz uma revisão de modo a verificar se houve, nos últimos 12 anos, de 2008 a 2020, algum aumento desta representação. Para isso, selecionou-se cinco revistas e cinco eventos nacionais e internacionais de alto impacto. Os dados recolhidos revelam uma discrepância bastante alta na quantidade de publicação entre homens e mulheres. Portanto esse trabalho demonstra, que ainda há muito a ser feito na área da Física para que haja uma equidade na produção científica e na participação feminina nas publicações da área.&nbsp;</span></p> 2021-08-10T13:01:36-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12909 Epistemologia dos experimentos mentais, argumentação e explicações científicas no ensino de Física e de Ciências 2021-10-19T14:32:34-03:00 Ricardo Rangel Guimarães rirangel@gmail.com <p>Este trabalho tem como objetivo discutir a Epistemologia dos Experimentos Mentais (EM), a sua importância na História da Ciência e relevância metodológica para a aprendizagem de conceitos no Ensino de Física. Pretende-se defender que EM podem ser utilizados como argumentos na educação científica, no sentido de serem explicativos e informativos, possibilitando ao aluno uma melhor compreensão de conceitos científicos. Existem autores muito importantes na discussão sobre os usos do argumento e da argumentação no ensino, que desenvolveram trabalhos analisando a natureza e relevância dos EM na ciência, bem como outros debates e discussões da Epistemologia e da Filosofia da Ciência que trataram da noção clássica de explicação científica e da natureza do conhecimento científico. Também será discutida a utilização não apenas dos argumentos dedutivos na História da Ciência via EM, como na análise crítica da clássica demonstração da queda dos corpos de Galileu, por exemplo, dentre outros casos na História da Ciência, mas também outros exemplos históricos, onde argumentos indutivos-abdutivos como inferências a melhor explicação (IME) podem ser um interessante recurso heurístico para fornecer explicações científicas. O que se pretende minimamente mostrar, ao final, é que a utilização dos EM como argumentos na educação científica, através do recurso didático da argumentação, sejam eles indutivos como a IME ou dedutivos, pode trazer contribuições significativas para a aprendizagem em ciências, através de uma análise crítica dos mesmos por parte dos alunos, procurando com isso fomentar nos estudantes pensamento crítico e entendimento, em que estes possam oferecer explicações racionais para os fenômenos científicos.</p> 2021-09-02T16:03:12-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12901 Reconstruindo alguns modelos sobre luz e visão da história da ciência 2021-10-19T14:32:35-03:00 Roberto Nardi rnardi@unesp.br Lisbeth Lorena Alvarado Guzmán lisbeth.alvaradofm@gmail.com <p>Ao longo da história se há tecido concepções sobre a luz e a visão que se evidenciam em campos tão diversos como a física, a teologia, a psicologia, a biologia, entre outros. Isto têm implicado no desenvolvimento de tecnologias com diversas aplicações, ao mesmo tempo, em que alcançam novos entendimentos e outros fenômenos surgiram. O objetivo fundamental deste artigo é fazer um tour por alguns modelos de luz e visão que foram coletados da história da óptica, dando atenção especial a refração. Da mesma forma, traz uma breve discussão sobre a tecnologia e suas relações com a ciência por meio da análise do papel da câmera escura como análogo ao olho, expandindo a compreensão do mecanismo da visão e mostrando uma gama de aplicações provenientes de campos tão diversos como a pintura. Conclui-se que a história da óptica é extensa e repleta de detalhes que nos mostram como a ciência se desenvolve através de controvérsias, da comunicação entre cientistas e da necessidade de explicar, prever e criar fenômenos. Longe de pretender ser exaustivo na apresentação dos modelos, o que se evidencia é a demarcação dos fenômenos e a estabilização dos fatos que dão origem a um modelo teórico. Por fim, são sugeridas algumas contribuições para os professores a partir de uma perspectiva da natureza da ciência e da tecnologia que podem ser consideradas em sala de aula.</p> 2021-09-01T16:39:16-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12906 O uso da argumentação na acepção de Stephen Toulmin articulado à abordagem histórico-epistemológica com enfoque no aluno: um caminho possível para construção da aprendizagem em relatividade 2021-10-19T14:32:35-03:00 Maria Derlandia de Araújo Januário mderlandiaajanuario@gmail.com Neusa Teresinha Massoni neusa.massoni@ufrgs.br <p>Apresentamos uma proposta de investigação e intervenções no campo temático da História, Filosofia e Sociologia da Ciência articulada a um tema de Física Moderna e Contemporânea (FMC) tendo como público alvo estudantes da Escola Básica e seus professores em atividade, que será desenvolvida no curso de doutorado de um Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. São dois os objetivos principais da proposta: &nbsp;contribuir para uma educação científica que valorize e integre aspectos da História e Filosofia da Ciência (HFC) no processo de ensino-aprendizagem de conceitos e princípios de Relatividade, buscando problematizar visões ingênuas sobre a natureza da ciência; e construir uma sinergia entre Universidade e escola, focalizando a escuta e a compreensão da identidade do estudante enquanto sujeito da escolarização, a discussão, a divulgação e os usos da argumentação científica, na acepção de Stephen Toulmin (1922-2009).</p> 2021-09-01T17:12:32-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12910 Charges e a história cultural da ciência: o eclipse e a deflexão da luz 2021-10-19T14:32:36-03:00 Lucas Albuquerque do Nascimento lucas.albuquerque13@hotmail.com Vinicius Jacques vinicius.jacques@ifsc.edu.br Henrique César da Silva henriquecsilva@gmail.com <p>Este artigo teve como objetivo analisar os aspectos históricos <em>e</em> textuais de charges que possuem relações com as tentativas de observação de eclipses referentes à deflexão da luz, realizadas no Brasil em 1912 e 1919, por meio da História Cultural da Ciência articulada com a noção de <em>textualização</em>. Assim, procuramos não analisar separadamente <em>o texto</em> (charge) dos conhecimentos e práticas relacionados aos episódios históricos. As charges analisadas foram publicadas em <em>O Malho</em>, uma revista ilustrada de grande circulação e repercussão na década de 1910. A seleção das charges se deu a partir de buscas na Biblioteca Nacional Digital. A análise das charges evidenciou processos de representação de uma prática científica comumente invisibilizada, a tentativa de observação do eclipse total do Sol em 1912; favoreceu a visibilidade de ações produzidas por outros atores, como Henrique Morize e Charles Dillon Perrine; destacou práticas científicas como as interações entre Perrine e Eddington; a busca por financiamento e atrasos na liberação de recursos e fatores que foram determinantes para a escolha dos pontos de observação, como a proximidade destes às ferrovias. Os elementos apresentados sinalizam potencialidades da utilização de charges no ensino de Física, numa perspectiva da História Cultural da Ciência articulada à <em>textualização</em>, onde a charge é a divulgação <em>e</em> elemento cultural constitutivo de uma prática científica. A análise sinaliza a relação entre texto/linguagem, suas práticas social, cultural e política de produção, com a dimensão conceitual, coletiva, histórica e epistemológica da produção da ciência.</p> 2021-09-02T16:09:34-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12902 O ensino de História e Filosofia da Termodinâmica como meio para o pensamento complexo 2021-10-19T14:32:37-03:00 Louise Trivizol lui.t.assis@gmail.com Silvia F. de M. Figueirôa silviamf@unicamp.br <p><em></em></p> <p>Esse trabalho apresenta tópicos de natureza das ciências e da história e filosofia da Termodinâmica que consideramos úteis ao ensino, tanto para a educação básica quanto para a formação de professores. Para a apresentação dos tópicos, tomamos como categoria de análise afirmações de Natureza das Ciências (NdC). Nossa concepção de ensino prioriza a transdisciplinaridade e a abordagem de temas afeitos a demandas contemporâneas, como a mudança climática, por exemplo, visando os objetivos expressos pela Alfabetização Científica (AC). O maior desses objetivos sendo a capacitação para tomada de decisões cientificamente informadas para melhor participação cidadã. Justificamos a utilização de temas de NdC pela possibilidade que oferecem de pensar ações pedagógicas alinhadas a concepções contemporâneas em filosofia das ciências, bem como com a historiografia das ciências. A presente pesquisa se insere na necessidade de forçar – procurando romper – pontos frágeis de velhos paradigmas que ainda permeiam e, silenciosamente, conduzem nossa visão de mundo. E que, muitas vezes, negam o benefício de uma atitude crítica e integrativa, informada sobre os meandros e a complexidade da ação humana no mundo, sobretudo a científica. A pesquisa conta com o aporte epistemológico de Ludwik Fleck e busca relações entre a teoria Termodinâmica e o pensamento complexo de Edgar Morin. Tais aproximações podem ser frutíferas aos objetivos da AC, tendo em vista as emergências planetárias que pedem posturas propositivas frente à incerteza do futuro.</p> <p></p> 2021-09-01T16:48:25-03:00 ##submission.copyrightStatement## http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/12966 Foguetes, satélites artificiais e telescópios através da libras: uma abordagem histórica para o ensino-aprendizagem de astronomia na cultura surda 2021-10-20T16:28:24-03:00 Ellen Cristine Prestes Vivian ellencristinevivian@outlook.com André Ary Leonel andre.leonel@ufsc.br <p>Este trabalho tem o objetivo de evidenciar as contribuições de uma abordagem histórica sobre instrumentos astronômicos para o ensino-aprendizagem de Ciências para estudantes surdos(as), através de uma proposta com intervenções didático-pedagógicas bilíngues. Para isso, foram realizadas duas intervenções de ensino, extraclasse, sobre um tópico de Astronomia intitulado “Foguetes, satélites artificiais e telescópios: o que são, como funcionam e para que servem?”. Esse tópico faz parte de uma sequência didática construída e implementada durante uma pesquisa de mestrado desenvolvida pela professora-pesquisadora – que atuou como Física Educadora Bilíngue - com um grupo de quatro estudantes do Ensino Fundamental, todas meninas com idades entre 13 e 15 anos, sendo três surdas e uma ouvinte filha de pais surdos, em uma escola regular do interior do Rio Grande do Sul. O estudo teve o intuito de proporcionar às estudantes um entendimento sobre os instrumentos astronômicos – que foram construídos para melhorar a observação e o estudo do espaço pelo ser humano – através de uma perspectiva histórica sobre a importância, a origem e a utilização desses instrumentos nas Ciências, nas tecnologias, nas telecomunicações e na sociedade. As intervenções possibilitaram às estudantes a participação em um estudo histórico das Ciências, através da Astronomia, em um ambiente de Educação Bilíngue com uma Professora Bilíngue, que viabilizou e acessibilizou os conceitos científicos. Neste sentido, a relação entre a Educação Bilíngue e a Educação em Astronomia contribuiu potencialmente para a reconfiguração do ensino-aprendizagem científico de surdos, através da aproximação da Língua Brasileira de Sinais (Libras), da cultura surda e da cultura científica.</p> 2021-09-15T10:30:25-03:00 ##submission.copyrightStatement##