Vídeos como objetos de aprendizagem potencialmente significativos

  • Adriano Edo Neuenfeldt Doutorando em Ensino no Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEnsino), Universidade do Vale do Taquari.
  • Rogério José Schuck Universidade do Vale do Taquari
  • Lara Kalkmann Goulart Acadêmica de Psicologia, Universidade do Vale do Taquari.

Resumo

Este artigo versa sobre a produção de vídeos como objetos de aprendizagem potencialmente significativos (Oaps). Os vídeos foram postados num canal do YouTube gerenciado pelos próprios estudantes. Com o trabalho desenvolvido, buscaram-se analisar e apontar alternativas metodológicas, para incluir os estudantes nos processos de ensino e de aprendizagem. Foi desenvolvido um estudo de caso que envolveu estudantes matriculados na disciplina de cálculo de uma instituição do ensino superior. Ressalta-se que a proposta permanece em desenvolvimento e, até o momento, foi possível perceber que os estudantes se comportam, principalmente, como consumidores de informação e, em menor escala, como produtores de conhecimento, tendo o professor como mediador do processo.

Biografia do Autor

Adriano Edo Neuenfeldt, Doutorando em Ensino no Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEnsino), Universidade do Vale do Taquari.
Doutorando em Ensino no Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEnsino), Universidade do Vale doTaquari.
Rogério José Schuck, Universidade do Vale do Taquari
Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Docente do Programa dePós-Graduação em Ensino, Universidade do Vale do Taquari.
Lara Kalkmann Goulart, Acadêmica de Psicologia, Universidade do Vale do Taquari.
Acadêmica de Psicologia, Universidade do Vale do Taquari. 

Referências

AGUIAR, E. B. A.; FLÔRES, M. L. P. Objetos de aprendizagem: conceitos básicos. In: TAROUCO, L. M. R. et. al. (Org.). Objetos de aprendizagem: teoria e prática. Porto Alegre: Evangraf, 2014. p. 14-15.

AUDINO, D.; NASCIMENTO, R. Objetos de aprendizagem: diálogos entre conceitos e uma nova proposição aplicada à educação. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 5, p. 128-148, 2010. Disponível em:<https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1620>. Acesso em: 18 out. 2017.

AUSUBEL, D. P. The psychology of meaningful verbal learning. Grune and Stratton: New York, 1963.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. A investigação qualitativa em educação. Porto, Portugal:Porto, 1994.

BRAGA, J. C. (Org.) Objetos de aprendizagem, volume 1: introdução e fundamentos. Santo André: Editora da UFABC, 2014.

BURGESS, J.; GREEN, J. Agency and controversy in the YouTube community. in PROCEEDINGS IR 9.0: rethinking communities,

rethinking place - association of internet researchers (AoIR) conference, IT University of Copenhagen, Denmark, 2008.

______. YouTube e a Revolução Digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

GIL, A. C. Didática do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 2010.

JENKINS, H. What happened before YouTube? 2008. Disponível em: <http://henryjenkins.org/2008/06/what_happened_before_youtube. html>. Acesso em: 25 nov. 2017.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 10. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

______. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010a.

______. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2010b. MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

______. Mediação Pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 10. ed. Campinas: Papirus, 2000. p. 133-173.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2013.

MOREIRA, M. A.; MASSONI, N. M. Noções básicas de epistemologias e teorias de aprendizagem como subsídios para a organização de sequências de ensino-aprendizagem em ciências/física. São Paulo: Livraria da Física, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Brasil ocupa 66º lugar em ranking da ONU de Tecnologia de Informação e Comunicação. 2017a. Disponível em: <https://nacoesunidas. org/agencias/uit/>. Acesso em: 25 nov. 2017.

______. Mais de 4 bilhões de pessoas terão acesso à internet móvel até o fim de 2017, diz relatório da ONU. 2017b. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencias/uit/>. Acesso em: 25 nov. 2017.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo o leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004. (Coleção Comunicação).

TAROUCO, L. M. R. et. al. (Org.). Objetos de aprendizagem: teoria e prática. Porto Alegre: Evangraf, 2014.

WALCZYK, T. Google video: just another video sharing site? Journal of Library Administration, Philadelphia, v. 47, p. 175-181, 2008.

WILEY, D. Connecting learning objects to instructional design theory: a definition, a metaphor, and a taxonomy. In: WILEY, David (Ed.). The Instructional Use of Learning Objects. 2000. Disponível em: <http://reusability.org/read/chapters/wiley.doc>. Acesso em: 10 ago. 2017.

YOUTUBE. YouTube em números. 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/intl/pt-BR/yt/about/press/>. Acesso em: 25 nov. 2017.

Publicado
2018-08-10
Como Citar
Edo Neuenfeldt, A., Schuck, R., & Kalkmann Goulart, L. (2018). Vídeos como objetos de aprendizagem potencialmente significativos. Revista Brasileira De Ensino De Ciências E Matemática, 1(1). https://doi.org/10.5335/rbecm.v1i1.8475