Educação gerontológica na contemporaneidade: a gerontagogia, as universidades de terceira idade e os nativos digitais

  • Henrique Gil

Resumo

O artigo pretende apresentar uma contextualização relativa à dinâmica do processo de envelhecimento com uma reflexão acerca das suas diferentes valências. Tendo em consideração o aumento da esperança de vida, torna-se importante promover uma aprendizagem ao longo da vida ‘para’ e ‘com’ os cidadãos mais idosos. Neste âmbito, é realizada uma abordagem multidisciplinar onde se destaca a importância da gerontologia e da gerontagogia, num contexto de formação que se pretende ser mais ajustada às necessidades dos cidadãos mais idosos. Neste particular, de formação ao longo da vida, é dado um particular realce às Universidades da Terceira Idade a funcionar em Portugal, relativamente ao seu contributo educativo e, ao mesmo tempo, o seu contributo social. Atendendo ao facto de cada vez mais a presente sociedade do século XXI assentar em serviços e plataformas digitais, o artigo visa ainda promover uma reflexão crítica relativamente aos designados ‘nativos digitais’ e aos ‘imigrantes digitais’, no que respeita às respetivas competências digitais que lhes permitem exercer os seus direitos e os seus deveres como cidadãos. Neste novo contexto digital, torna-se importante incluir os cidadãos mais idosos no sentido de os capacitar para estes novos desafios proporcionando-lhes condições para que possam usufruir de um melhor e mais adequado envelhecimento.
Publicado
2016-08-15
Como Citar
Gil, H. (2016). Educação gerontológica na contemporaneidade: a gerontagogia, as universidades de terceira idade e os nativos digitais. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 12(3). https://doi.org/10.5335/rbceh.v12i3.6005
Seção
Artigos Originais