EXPOSIÇÃO SOLAR E SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINA D EM LONGEVOS DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

  • Cintia Cristina Sulzbach
  • Renata Breda Martins
  • Liziane da Rosa Camargo
  • Ângelo José Gonçalves Bós
Palavras-chave: Vitamina D, Infecções por Coronavirus, Suplementos Nutricionais, Saúde do Idoso, Saúde Pública

Resumo

  Introdução: A deficiência de vitamina D é mais prevalente em nonagenários e centenários, tendo risco elevado para condições como: osteoporose, sarcopenia, deficiência imunológica e mortalidade. A fonte mais disponível da vitamina é a pele, em resposta à exposição solar. Entretanto, o isolamento social pelo COVID-19 pode ter influência em relação à exposição solar. Objetivo: Verificar a frequência de exposição solar e suplementação de vitamina D em nonagenários e centenários durante a pandemia de COVID-19. Métodos: Participaram nonagenários e centenários do projeto Atenção Multiprofissional ao Longevo que envolveu uma amostra representativa contactada por telefone entre março e agosto de 2020. As variáveis investigadas foram sociodemográficas, frequência de exposição solar e suplementação de vitamina D. Resultados: Responderam 59 nonagenários e centenários, 78% do sexo feminino, com média de idade 96±3,8 anos, 73% viúvos e 76% brancos. A maioria (68%) não reduziu a exposição solar no período de isolamento social, sendo que 51% tem se exposto ao sol 5 ou mais vezes/semana e 12% tem realizado suplementação com vitamina D. Em relação ao sexo, identificou-se aumento à exposição solar em 7% das mulheres, já nos homens houve redução de 23%.  Conclusão: Mesmo com o isolamento social, notou-se que, no geral, os participantes se expuseram ao sol apresentando frequência adequada, no entanto, no sexo masculino essa exposição foi menor.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-05
Como Citar
Sulzbach, C., Breda Martins, R., da Rosa Camargo, L., & Gonçalves Bós, Ângelo. (2020). EXPOSIÇÃO SOLAR E SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINA D EM LONGEVOS DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 17(2). https://doi.org/10.5335/rbceh.v17i2.12042