FATORES RELACIONADOS À AUTOPERCEPÇÃO DE SAÚDE ORAL EM NONAGENÁRIOS E CENTENÁRIOS NA COVID-19: ESTUDO AMPAL

  • Camila Dalbosco Gadenz PUCRS
  • Josemara de Paula Rocha PUCRS
  • Renata Breda Martins PUCRS
  • Álvaro Luiz Fortes PUCRS
  • Marlon Cássio Pereira Grigol PUCRS
  • Ângelo José Gonçalves Bós PUCRS
Palavras-chave: Idoso de 80 Anos ou mais, Saúde Bucal, COVID-19

Resumo

Introdução: A saúde bucal pode influenciar a saúde geral. Nonagenários e centenários frequentemente apresentam alterações bucais que necessitam acompanhamento odontológico.  A quarentena pode restringir o acesso a esse acompanhamento e favorecer problemas locais e sistêmicos. Objetivo: Caracterizar autopercepção de saúde oral de nonagenários e centenários durante o isolamento social para a COVID-19. Métodos: Estudo observacional e transversal envolvendo nonagenários e centenários do Projeto Atenção Multiprofissional ao Longevo, avaliados por smartphone entre abril e agosto de 2020, usando como critérios de inclusão idade acima ou igual a 90 anos e residir em Porto Alegre. As variáveis investigadas foram autopercepção de saúde oral (APSO, variável dependente), geral (APSG) e da mastigação (APSM), gênero, faixa etária, estado conjugal, presença de lesões orais e atendimento odontológico nas duas últimas semanas. Foram realizadas frequências absolutas e relativas (proporção). Resultados: Quarenta e oito participantes conseguiram responder a APSO. A maior parte (33; 69%) considerou a APSO boa, essa proporção foi maior entre os homens (11; 85%), centenários (5; 83%), casados (22; 75%), com APSG boa (21; 85%), APSM boa (29; 93%) e com menor frequência de lesões na cavidade oral (2; 4%). A frequência de atendimento odontológico foi baixa, apenas um participante, que considerava sua APSO boa. Conclusão: A APS oral boa foi mais frequente nos homens, centenários, casados com APSG e APSM boas. Apesar de 15% dos longevos apresentarem autopercepção de saúde oral ruim somente um recebeu atendimento odontológico. Concluímos que nonagenários e centenários estão negligenciando os cuidados de saúde oral.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-05
Como Citar
Dalbosco Gadenz, C., de Paula Rocha, J., Breda Martins, R., Fortes, Álvaro, Pereira Grigol, M., & Gonçalves Bós, Ângelo. (2020). FATORES RELACIONADOS À AUTOPERCEPÇÃO DE SAÚDE ORAL EM NONAGENÁRIOS E CENTENÁRIOS NA COVID-19: ESTUDO AMPAL. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 17(2). https://doi.org/10.5335/rbceh.v17i2.11931