MORTALIDADE POR INFLUENZA EM IDOSOS NO RS EM 2018: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Pedro Pablo de Gusmão Bonilla GHC
  • Andrea Morais de Gusmão Prefeitura Municipal de Porto Alegre
Palavras-chave: mortalidade, influenza, idosos

Resumo

Introdução: as infecções respiratórias constituem um conjunto de doenças comumente relacionadas aos idosos, sendo o vírus da Influenza um dos seus principais agentes etiológicos. Os idosos são um grupo vulnerável porque a idade avançada está associada com uma grande prevalência de doenças crônicas e um sistema imune mais deficiente. No Brasil, a política de vacinação contra a Influenza iniciou-se em 1999, sendo oferecida anualmente pelo SUS aos idosos e demais grupos de risco. Objetivos: analisar o número de casos e óbitos por Influenza no estado do Rio Grande do Sul e comparar o coeficiente de mortalidade entre os idosos e o restante da população. Métodos: estudo transversal com análise secundária dos dados presentes nos boletins epidemiológicos divulgados pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) até a 41ª semana (13/10) de 2018 . Resultados: durante o período analisado, no Rio Grande do Sul, houve 613 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Influenza, dos quais, 25,9% (159 casos) foram em adultos maiores que 60 anos. Além disso, dos 94 óbitos, 41 foram em idosos, representando 43,6% do total. O coeficiente de mortalidade nos idosos foi 2,2 vezes maior do que no restante da população. Conclusões: durante o período analisado, os idosos foram o grupo com a maior mortalidade por complicações respiratórias causadas pela Influenza. Reforça-se, então, a importância da vacinação nos idosos, que durante o ano de 2018 atingiu uma cobertura de 93,9%, considerada acima da meta proposta pelo Ministério da Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-10
Como Citar
de Gusmão Bonilla, P., & Morais de Gusmão, A. (2019). MORTALIDADE POR INFLUENZA EM IDOSOS NO RS EM 2018: UM ESTUDO TRANSVERSAL. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 16(2), 13. https://doi.org/10.5335/rbceh.v16i2.10358