USO DE FÁRMACOS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: POLIFARMÁCIA, MEDICAMENTOS INAPROPRIADOS E DUPLICIDADE TERAPÊUTICA

  • Marion Dors Perotti ULBRA CANOAS
  • Paulo Roberto Cardoso Consoni ULBRA CANOAS
Palavras-chave: idoso, prescrição de medicamentos, polifarmácia

Resumo

INTRODUÇÃO:o envelhecimento populacional é fato no Brasil,aumentando a prevalência de doenças crônicas, em especial as demenciais e neurológicas, que demandam maior cuidado dos idosos em instituições. Sabe-se que a população idosa residente em instituição de cuidado é considerada mais doente do que a da comunidade, o que amplia a probabilidade de erros de prescrição¹, uso excessivo de fármacos ou sobreposição dos mesmos. Sendo assim, é necessário analisar com que frequência tais fatos ocorrem, para que mudanças sejam implementadas, diminuindo os erros em prescrições de idosos²,³,4.OBJETIVOS:avaliar o número de fármacos utilizado por idoso, a prevalência de polifarmácia, medicamentos inapropriados e duplicidade terapêutica.MÉTODOS:estudo transversal, realizado em residencial geriátrico de Canoas, RS. Foram analisados os 42 prontuários do local.Variáveis: número de medicamentos prescritos, classe farmacológica mais utilizada e interações medicamentosas.Sexo, idade e o diagnóstico principal dos pacientes também foram analisados.O estudo teve aprovação no Comitê de Ética e Pesquisa sob o número 3.361.728. RESULTADOS: dentre os 42 pacientes avaliados, 15 eram homens e 27 mulheres. A média de idade foi de 68 anos. O diagnóstico mais frequente foi Sequela de Acidente Vascular Cerebral não especificado, encontrado em 14 pacientes. A média de medicamentos utilizado por pessoa foi de 4.9, sendo que 23 pacientes apresentavam polifarmácia. Os medicamentos mais utilizados foram do aparelho cardiovascular (35%). Identificaram-se 87 interações potenciais em 12 pacientes e duplicidade terapêutica em 2 pacientes. O medicamento potencialmente inapropriado mais utilizados foi o alprazolam (4,3%).CONCLUSÕES: tendo em vista que os achados influenciam na qualidade de vida do idoso, é fundamental a avaliação do plano terapêutico.Por fim, prezar por uma farmacoterapia racional e segura é expressão de qualidade na assistência ao idoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-10
Como Citar
Dors Perotti, M., & Cardoso Consoni, P. (2019). USO DE FÁRMACOS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: POLIFARMÁCIA, MEDICAMENTOS INAPROPRIADOS E DUPLICIDADE TERAPÊUTICA. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 16(2), 12. https://doi.org/10.5335/rbceh.v16i2.10357