AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DE POLIFARMÁCIA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

  • Alessandra Santos Menin
  • Crissiane Melo Nepomuceno
  • Paulo Roberto Cardoso Consoni
Palavras-chave: idosos, polimedicação, institucionalização

Resumo

Introdução: com o aumento da expectativa de vida da população, aumenta o contingente de portadores de doenças crônicas, que necessitam do uso de medicamentos.Porém,o grande número de medicamentos e as alterações inerentes ao processo de envelhecimento aumentam a vulnerabilidadeaos eventos adversos a medicamentos, seja por reações adversas, seja por interações medicamentosas¹. Objetivo: avaliar a prevalência de polifarmácia em idosos institucionalizados e quais as principais classes medicamentosas em uso. Metodologia: estudo transversal realizado em 2018 numa ILPI municipal, em Canoas,RS. Todos os idosos residentes a partir dos 60 anos participaram do estudo.Para a coleta de dados, foram analisadas as medicações de uso contínuo contidas nos prontuários de cada idoso e utilizado o critério de polifarmácia como sendo o uso de cinco ou mais medicamentos.Resultados: a amostra final foi de 48 idosos, sendo que apenas um foi excluído por ter idade inferior a 60 anos.A faixa etária variou entre 61 a 96 anos, sendo 45,8% do sexo masculino e 54,2% do feminino. Apenas 33,3% usa menos de 5 medicamentos, sendo que, nesse grupo, 50% utiliza 4. Ademais, 22,9% usam 5 medicamentos, 8,33% usam 6, 22,9% usam 7, 6,25% usam 8, 4,16% usam 9 e 2,08% usam 11, sendo esse o número máximo de medicamentos utilizado. Além disso, o sexo masculino apresentou uma média de 5,7 fármacos, enquanto o feminino de 5. Em relação aos medicamentos utilizados, 68,7% dos idosos toma algum anti-hipertensivo, 50% antiplaquetários, 43,7% inibidores seletivos de receptação da serotonina, 39,5% neurolépticos, 35,4% benzodiazepínicos, 35,4% anti-epiléticos, 23% hipoglicemiantes, 14,6% anti-parkinsonicos e 8,3% inibidores da colinesterase.Conclusão: os grupos de medicamentos mais utilizados na prática depolifarmácia refletem a alta prevalência de doenças cardiovasculares e diabetes entre a população idosa, assim como quadros de insônia, ansiedade e estados confusionais.No estudo realizado, também foram essas as doenças que implicaram num maior uso de medicações, apesar de a presença de diabetes não ter sido uma das mais prevalentes. Ademais, tendo em vista que 66,7% dos idosos da amostra apresentam polifarmácia, o estudo vai de encontro ao que a literatura revela sobre os altos índices de polifarmácia nessa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Santos Menin
ULBRA
Crissiane Melo Nepomuceno
ULBRA
Paulo Roberto Cardoso Consoni
ULBRA
Publicado
2019-12-10
Como Citar
Santos Menin, A., Melo Nepomuceno, C., & Cardoso Consoni, P. (2019). AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DE POLIFARMÁCIA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 16(2), 10. https://doi.org/10.5335/rbceh.v16i2.10356