COMPARAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO PALMAR E DESEMPENHO FUNCIONAL EM IDOSOS LONGEVOS

  • Nathalia Griebler
  • Tainara Steffens
  • William Santos
  • Caroline Pietta Dias
Palavras-chave: nonagenários, funcionalidade, força muscular

Resumo

INTRODUÇÃO: A população acima de 80 anos está cada vez maior, essa fase é acompanhada por mudanças neuromusculares que resultam em processos degenerativos, entre eles declínios funcionais e diminuição da força muscular (1). OBJETIVOS: Comparar a força de preensão palmar e o desempenho funcional em idosos acima de 90 anos de idade. MÉTODOS: A amostra foi composta por 61 idosos longevos com idade acima de 90 anos. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (nº 2.465.359) e os participantes assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os idosos foram agrupados em três estratos etários: 90-92 anos (n= 27), 93-95 anos (n=19), 96 anos ou mais (n=8). Para a avaliação da capacidade funcional realizaram o teste de sentar e levantar de uma cadeira (SL) e o teste Timed up and Go (TUG), para força de membros superiores o teste de preensão palmar (PP). RESULTADOS: Quando divididos por estratos etários, os valores médios encontrados para o TUG, SL e PP foram de 14,93±5,87s, 15,52±4,44s e 16,72± 4,76kg/f no grupo etário de 90-92 anos, 24,05±13,15s, 20,93±10,03s e 19,15±5,90kg/f no grupo de 93-95 anos e 19±7,95s, 20,29±7,43s e 14,60±6,14kg/f para o grupo de 96 anos ou mais. No TUG foi observado um melhor desempenho no grupo etário de 90-92 anos, quando comparado com o grupo de 93-95 anos (p=0,008). No teste de PP, quando comparados os grupos de 96 anos com os de 93-95 anos, foi encontrada uma menor força no grupo mais idoso (p=0,042). Quando comparados os estratos de 90-92 anos com os indivíduos de 93-95 anos (p=0,52) não foram observadas diferenças significativas. Já no teste SL, não foram observadas diferenças significativas entre os grupos(p>0,05). CONCLUSÕES: Os indivíduos entre 90-95 anos não apresentam alterações de força, já acima de 96 anos estima-se uma perda considerável. Em idades acima de 96 anos os resultados apontaram maior declínio de habilidades funcionais que necessitem de força muscular de membros inferiores.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-11-20
Como Citar
Griebler, N., Steffens, T., Santos, W., & Dias, C. (2019). COMPARAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO PALMAR E DESEMPENHO FUNCIONAL EM IDOSOS LONGEVOS. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, 16(2), 56. https://doi.org/10.5335/rbceh.v16i2.10207