O uso da comunicação aumentativa e alternativa para apoiar o diálogo de pessoas com deficiência intelectual

  • Andrei Carniel UDESC
  • Carla Diacui Medeiros Berkenbrock Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Tiago Anunciação Ricaldi UDESC
  • Simone Erbs da Costa UDESC
  • Aliciene Fusca Machado Cordeiro Universidade da Região de Joinville
Palavras-chave: Comunicação Aumentativa e Alternativa, Deficiência intelectual, Design participativo.

Resumo

A Comunicação Aumentativa e Alternativa é uma das estratégias para lidar com problemas de comunicação, especialmente para pessoas com a deficiência intelectual (DI). A comunicação aumentativa e alternativa explora mais de um canal de comunicação para enviar mensagens, mas não garante que a comunicação aconteça. Assim este trabalho tem como objetivo identificar como ocorre a comunicação para as pessoas com DI, bem como desenvolver um sistema de comunicação aumentativa e alternativa para apoiar a comunicação dessas pessoas. Para estudar a solução desse problema, este trabalho utiliza o Design Science Research (DSR), Design Participativo e análise qualitativa. O Design Participativo é utilizado em três ciclos do DSR. Os ciclos são realizados da seguinte forma: conhecimento sobre o usuário; adaptação de um modelo de comunicação; desenvolvimento do protótipo de telas; e desenvolvimento do sistema de comunicação aumentativa e alternativa. Esta pesquisa foi realizada com uma pessoa com paralisia cerebral, apraxia e sem discurso funcional. Como resultados obtidos destaca-se: os requisitos do sistema de comunicação para pessoas com deficiência intelectual, os protótipos de tela, a implementação do sistema, e a realização da análise qualitativa do uso da comunicação aumentativa e alternativa.
Publicado
2018-05-01
Como Citar
[1]
Carniel, A., Berkenbrock, C., Ricaldi, T., da Costa, S. e Cordeiro, A. 2018. O uso da comunicação aumentativa e alternativa para apoiar o diálogo de pessoas com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Computação Aplicada. 10, 1 (maio 2018), 53-65. DOI:https://doi.org/10.5335/rbca.v10i1.7678.
Seção
Artigo Original
Share |