Abordagem passiva para reconhecimento de adulterações em imagens digitais através da análise do padrão CFA e do BAG

Lucas Marques da Cunha, Arnaldo Gualberto de Andrade e Silva, Thaís Gaudêncio do Rêgo, Leonardo Vidal Batista

Resumo


A criação e a comercialização de softwares de edição de imagens permitiu que pessoas comuns pudessem realizar qualquer tipo de manipulação em imagens digitais. Em um cenário judicial, em que autenticidade e integridade dos dados são cruciais, se faz necessário técnicas que permitam garantir tais atributos. A análise forense em imagens digitais busca, através de métodos computacionais científicos, reconhecer a presença ou ausência desses atributos. O presente trabalho apresenta um método de reconhecimento de adulteração em imagens com e sem compressão JPEG. Esse método baseia-se em técnicas de análise de inconsistência do BAG (Block Artifact Grid) e do Padrão CFA (Color Filter Array) da imagem que é gerada a partir de técnicas de adulteração, tais como composição e clonagem. Os testes foram realizados em 960 imagens, utilizando as taxas de acurácia, sensibilidade, especificidade e precisão como métricas para a avaliação da efetividade do método.

Palavras-chave


Adulteração. Análise Forense. Reconhecimento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5335/rbca.v9i3.6098