A Recusa da Política Contemporânea: uma leitura arendtiana

  • Jenerton Arlan Schütz
  • Edinaldo Enoque Silva Junior

Resumo

Este artigo pretende contribuir para as reflexões e discussões acerca da política e os motivos de sua recusa na contemporaneidade a partir do pensamento de Hannah Arendt. Em suma, o pensamento de Arendt é político, não no sentido usual que busca fornecer métodos ou regras para a vida política, mas sim, uma dimensão essencial da condição humana, que não pode ser dispensado sem que essa condição se altere de forma irreparável. Em nossa época de desprezo pelo político, com discursos políticos associados à mentira e também à ocultação, faz-se necessário constituir uma verdadeira ode à dignidade intrínseca da política. Assim, o pensamento de Arendt situa a política na pluralidade dos homens, distinguindo-se da interpretação geral comum do homem enquanto um zoonpolitikon(Aristóteles), fato de que a política seria inerente ao homem, Arendt considera que a política não surge no homem, mas sim, entre os homens, portanto, fora dos homens. Ademais, a política só é possível se os pressupostos de liberdade, espontaneidade e, a partir desses, o surgimento de um espaço entre homens for garantido. Palavras-Chave: Condição Humana; Contemporaneidade; Política.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-12-12