CARLO GINZBURG E A MICROHISTÓRIA EM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE HISTÓRIA

  • Renata Teixeira

Resumo

O presente artigo busca aproximar as produções da História Acadêmica à História Escolar, trazendo para a sala de aula uma abordagem teórico-metodológica: a microhistória. A microhistória, movimento historiográfico iniciado na Itália, ganha cada vez mais força no Brasil e na América Latina. Dentro desse aporte teórico, tem-se como foco o trabalho com dois conceitos difundidos historiador Carlo Ginzburg: a redução da escala de observação e a circularidade da cultura. Tem-se como objetivo a construção de sequências didáticas baseadas na análise de trajetórias individuais publicadas em artigos da Revista de História da Biblioteca Nacional. Esse trabalho investigativo parte da compreensão das vivências e representações sociais e culturais de indivíduos para o entendimento de um contexto mais amplo. Palavras-chave: Carlo Ginzburg, Ensino de História, Microhistória, Revista de História da Biblioteca Nacional; Sequências Didáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-08-26
Como Citar
Teixeira, R. (2015). CARLO GINZBURG E A MICROHISTÓRIA EM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE HISTÓRIA. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 14(1). Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/ph/article/view/5320