O patrimônio de braços cruzados

a memória coletiva de um espantalho que ao se tornar atração de beira de estrada virou o Napoleão da Praça Tamandaré

Palavras-chave: Escultura, Estátua, Napoleão, Patrimônio Cultural Material, Praça Tamandaré

Resumo

Este artigo é uma breve contribuição sobre a história da estátua de Napoleão Bonaparte que está na Praça Tamandaré. A obra escultórica é de autoria do italiano Matteo Tonietti e representa uma das mais complexas obras de arte deste artista, não apenas pela sua complexidade, mas pela trajetória histórica e atual posição no cenário rio-grandino. A pesquisa se estendeu para a compreensão do universo simbólico da escultura, do seu escultor e do burguês que encomendou a peça. Ao usar a memória coletiva como base teórica foi possível entender como a trajetória de uma família abastada se desfaz da posse de uma obra única, fruto do período político da época em que viviam as famílias e os patriarcas que as encomendavam. Os resultados da análise dos relatos se referem aos três momentos da estátua e sua trajetória privada e pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Aracy A. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira, 1930- 1970: subsídios para uma história social da arte no Brasil. São Paulo: Nobel, 1984.

ALVES, Francisco das Neves; FUÃO, Juarez José Rodrigues. Estatutária na cidade do Rio Grande nos primórdios da república velha (1889-1990). Coleção Pensar a História, n.31.Rio Grande: FURG, 2005.

ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte Italiana: De Michelangelo ao futurismo. v.3. São Paulo: Cosac &Naif, 2003.

BRAGA, Celso Pires. Um apaixonado pela história e pelos mistérios do Senandes. Jornal Agora,Rio Grande, 30 mai. 2014, Caderno Homem, p. 5.

BELLOMO, Harry R. A Estatuária Funerária em Porto Alegre (1900 -1950). 1988. 204f. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1988.

BOITO Camillo. Os Restauradores. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CALABRESE, Omar. A linguagem da Arte. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Iconografia e História. Resgate: Revista interdisciplinar de cultura. Campinas: Unicamp, v.1, p.9-17,1990.

CASSIER, Ernst. Essência e efeito do conceito de simbólico.México: Fondo de Cultura Económica, 1989.

CHOAY, Françoise. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

DOBERSTEIN, Arnoldo Warter. Estatuária, Catolicismo e Gauchismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

GAVAZZONI, Aluísio. Breve história da arte e seus reflexos no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Universidade Estácio de Sá, 1998.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HORTA, Maria de Lourdes P., GRUNBERG, Evelina, MONTEIRO, Adriane Queiroz. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Museu Imperial. 1999.

MALFATTI, Antonio Roberto. Carta do leitor. Jornal Agora, Rio Grande 25 abr 2013.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

MATOS, J. S.; SENNA, A. K. História oral como fonte: problemas e métodos. Historiae: revista de história da Universidade Federal do Rio Grande , v. 2, p. 95-108, 2011.

TORRES, Luiz Henrique. O PoliteamaRiograndende “Napoleão cruza os braços” Jornal Agora. Rio Grande, 3 dez 2011, Caderno O Peixeiro, p. 03.

VEIGA, R. Fradera. Atlas dos Estilos Artísticos. São Paulo: LIAL, s/d.

ZANINI. Walter. A arte no Brasil nas décadas de 1930-1940. O grupo Santa Helena. São Paulo: Nobel; EDUSP, 1991.
Publicado
2021-08-25
Como Citar
Borges Pestana, M., & Pires Braga, C. (2021). O patrimônio de braços cruzados. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 20(2), 112 - 124. https://doi.org/10.5335/srph.v20i2.12872