Pesquisa, Pânico e Pandemia

a internet como fundamento exclusivo do estado atual da arte

Palavras-chave: Internet, Pandemia COVID-19, Pesquisa Científica

Resumo

Em 2020 teve início o Mestrado Acadêmico em História Social do Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia (PPGHI/INHIS/UFU), tendo como um dos objetivos do ano letivo a realização, pelos discentes, do Estado Atual da Arte; porém, em Março, o Brasil enfrentou uma condição extraordinária: a Pandemia de COVID-19. Devido ao isolamento social, arquivos e bibliotecas fecharam. Considerando que as atividades de pesquisa não poderiam parar: é possível realiza-las, inteiramente, exclusivamente, através da internet? Este artigo responderá essa questão, abordando os temas da superprodução, digitalização e dos mecanismos de busca (destacando o Google Acadêmico), concluindo que: sim, é possível pesquisar em tempos pandêmicos; porém, “novos” espaços, “novos” problemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DE LUCA, Tania Regina. Práticas de pesquisa em História. 1. ed. São Paulo: Editora Contexto, 2020.

FICO, Carlos. História que temos vivido. In: VARELLA, Flávia. Et. All. Tempo presente & usos do passado. 1ed. Rio de Janeiro: FGV, 2012, v. 1, p. 31-49.

FORTE, Bárbara. Por que o Brasil é o sétimo país mais desigual do mundo?. 2020. Disponível em: https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2020/02/20/por-que-brasil-e-o-setimo-pais-mais-desigual-do-mundo.htm. Acesso em: 26/11/2020.

GALVANI, Giovanna. Governo Bolsonaro corta mais de 5.600 novas bolsas da Capes. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/educacao/governo-bolsonaro-corta-mais-de-5-600-novas-bolsas-da-capes/. Acesso em: 24/09/2020.

HARTOG, François. Introdução – ordens do tempo, regimes de historicidade. In: ______. Regimes de historicidade: presentismo e experiência do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 17-41.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2009.

MUGNAINI, Rogério; STREHL, Letícia. Recuperação e impacto da produção científica na era Google: uma análise comparativa entre o Google Acadêmico e a Web of Science. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, p. 92-105, 2008.

O QUE É: buscador. 2008. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL394725-15524,00.html. Acesso em: 24/09/2020.

PATRIOTA, Rosangela. Vianinha: um dramaturgo no coração de seu tempo. São Paulo: Editora Hucitec, 1999.

POZZEBOM, Rafaela. Diferença entre busca vertical e busca horizontal. 2011. Disponível em:https://www.oficinadanet.com.br/artigo/otimizacao__seo/diferenca_entre_busca_vertical_e_busca_horizontal. Acesso em: 24/09/2020.

VALENTE, Jonas. Brasil tem 134 milhões de usuários de internet, aponta pesquisa – a maioria acessa a internet pelo celular. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-05/brasil-tem-134-milhoes-de-usuarios-de-internet-aponta-pesquisa. Acesso em: 24/09/2020.

VOCÊ conhece todas as funcionalidades do Scanner? 2017. Disponível em: https://www.acervonet.com.br/blog/voce-conhece-todas-as-funcionalidades-do-scanner. Acesso em: 24/09/2020.
XAVIER, Andressa. Saiba procurar no Google da melhor forma. 2008. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/aumentar-desempenho/23-saiba-procurar-no-google-da-melhor-forma.htm. Acesso em: 24/09/2020.
Publicado
2021-08-24
Como Citar
Fernandes, G. (2021). Pesquisa, Pânico e Pandemia. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 20(2), 10 - 26. https://doi.org/10.5335/srph.v20i2.12325