Um panorama da historiografia do turfe no Brasil: possibilidades e perspectivas

  • Marcelo Rezende Ricci Universidade de São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Historiografia; Pesquisa; Turfe.

Resumo

Conhecer as produções historiográficas sobre um determinado tema é fundamental para qualquer investigação com perspectiva histórica. Com o objetivo de analisar os principais trabalhos realizados sobre o turfe no Brasil, este trabalho, com base nas produções internacionais, se dedica a identificar os aportes teóricos e metodológicos mais comuns da ciência histórica e apontar novas possibilidades para estudar este tema. Os resultados nos mostram que, ainda que a quantidade de trabalhos tenha crescido na última década, as abordagens são limitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências

ADELMAN, M.; Moraes, F. A. Tomando as rédeas: um estudo etnográfico da participação feminina e das relações de gênero no turfe brasileiro. Esporte e Sociedade, v. 3, p. 1-29, 2008.

______. As mulheres nos esportes equestres: forjando corporalidades e subjetividades 'diferentes'. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso), v. 19, p. 931-953, 2011.

ALMICO, Rita de Cássia da Silva; GOODWIN JR., James William; SARAIVA, Luiz Fernando (orgs.). Na saúde e na doença. História, crises e epidemias: reflexões da história econômica na época da covid-19. 1ª ed. São Paulo: Hucitec, 2020.

BLOCH, Marc. “Por uma história comparada das sociedades europeias”. In: Idem. História e Historiadores. Lisboa: Teorema, 1998, pp. 119-150.

CORREA, Silvio Marcus de Souza. As corridas de cavalo na colônia alemã do sudoeste africano (1884-1914). Cadernos de Estudos Africanos, v. 26, p. 127-152, jul-dez. 2013

CRUMP, Jeremy. “Horseracing and liberal governance in nineteenth century Leceister” Sport in history. Vol. 36, p. 190-213, 2016.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1 v., 1994.

GAMBETA, Wilson Roberto. A bola rolou. O Velódromo Paulista e os espetáculos de futebol (1895-1916). Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GLEAVES, John. Enhancing the Odds: Horse Racing, Gambling and the First Anti-Doping Movement in Sport, 1889–1911. Sport in History, v. 32, n.1, p. 26-52, 2012.

GUTTMAN, A. From ritual to Record.: the nature of modern sports. New York: Columbia University, 1978.

HORA, Roy. Historia del turf argentino. Buenos aires: Siglo Vientiuno Editores, 2014a.

______. “El turf como arena de disputa social. Jockeys y proprietários em el hipódromo argentino de fines del siglo XIX”. Anuário de História da América Latina. V. 51, n. 1, p. 303-327, dez. 2014b.

______. “Perón y el jockey club: disputas en el turf en la era peronista (1946-1955)”. Recorde. Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 1-29, 2018.

JUNIOR, Edivaldo Gois. “O esporte e a modernidade em São Paulo: práticas corporais no fim do século XIX e início do XX”. Movimento. Porto Alegre, v. 19, n. 04, p. 95-117, out-dez. 2013.

KARLS, Cleber Eduardo. Modernidades sortidas: o esporte oitocentista em Porto Alegre e no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em História) Rio de Janeiro: Instituto de História, Programa de Pós-Graduação em História Comparada – UFRJ, 2017.

KITANI, Enzo; BERTAZOLLI, Gabriel. “Jockey Club do Paraná: do surgimento aos dias atuais.” Revista NEP, Curitiba, v. 2, n. 2, p. 166-176, dez. 2019.

LABRONICI, Romulo Bulgarelli. Na pata do cavalo: um estudo etnográfico com apostadores do turfe em agências credenciadas do Jockey Club Brasileiro. Tese (Doutorado em Antropologia) Niterói: Programa de Pós-Graduação em Antropologia - Universidade Federal Fluminense, 2016.

______. “O vício inerente: fronteiras materiais, simbólicas e morais nas apostas do turfe” Anuário Antropológico, Brasília, v. 43, n. 1, p. 67-92, 2018a.

______. “Da pata do cavalo ao pé de coelho: razão e sorte no processo de elaboração de apostas no turfe”. Etnográfica, v. 22, n. 3, p. 481-501, 2018b.

______. “A dívida galopante: a economia das apostas e os significados dos usos do dinheiro no turfe”. Sociologia antropológica, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 185-209, jan./abr. 2019.

LUCENA, Ricardo Figueiredo. O esporte na cidade: aspectos do esforço civilizador brasileiro. Tese (Doutorado em Educação Física) Campinas: Faculdade de Educação Física – Universidade Estadual de Campinas, 2000.

MAIA, Guilherme R. Jockey Club no Rio Grande do Sul: Patrimônio moderno e requalificação urbana. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) Porto Alegre: Faculdade de Arquitetura – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

MALVAR, Bruna; SANT’ANNA, Lara. Foi dada a largada: a presença da mulher no Turfe e o Jockey Club de São Paulo. Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação – Universidade Estadual de São Paulo, 2017.

MAZO, Janice Z.; PEREIRA, Ester L. “Primórdios do esporte no Rio Grande do Sul: os imigrantes e o associativismo esportivo.” Memórias do esporte e do lazer no RS. Porto Alegre, p. 15-26, 2013.

MELO, Victor Andrade de. Cidade sportiva: primórdios do esporte no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará: FAPERJ, 2001.

______. “Esporte, propaganda e publicidade no Rio de Janeiro da transição dos séculos XIX e XX”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas, v. 29, n. 3, p. 25-40, maio 2008.

______. “O esporte em transição: Rio de Janeiro, 1851-1868”. Movimento. Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 363-376, abr/jun, 2015a.

______. “Entre a elite e o povo: o sport no Rio de Janeiro do século XIX (1851-1857)”. Revista Tempo. Rio de Janeiro, v. 21, n. 37, p. 208-229, jan, 2015b.

______. “Corridas Santa Cruz (Rio de Janeiro, 1912/1918)”. Revista Topoi. Rio de Janeiro, v. 20, n. 40, p. 157-184, jan.-abr. 2019.

______. “Forjando a capital: as experiências dos primeiros clubes de turfe e remo de Niterói (décadas de 1870-1880)”. Tempo. Niterói, v. 26, n. 1, p. 43-66, jan./abr. 2020.

MELO, Victor Andrade de; CHEVITARESE, André Leonardo. “Embates na sociedade fluminense: a experiência do Prado Guarany (1884-1890)”. Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 38, n. 78, p. 235-258, 2018.

______. “Uma arqueologia do esporte: a paisagem do Prado Guarany (1884-1890)”. História (São Paulo. Online), v. 39, p. e2020002, 2020.

MELO, Victor Andrade de; FORTES, Rafael. História do Esporte: panorama e perspectivas. Fronteiras, V. 12, n. 22, p. 11-35, 2010.

MOONEY, Katherine Carmines. Race horse men: how slavery and freedom were made at the racetrack. Cambridge, MA: Harvard University, 2014.

PEREIRA, Ester L. As práticas equestres em Porto Alegre: percorrendo o processo da esportivização. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) Escola de Educação Física – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

______. Configurações sociohistóricas da equitação no Rio Grande do Sul: uma investigação das redes de interdependência nas práticas esportivas equestres. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano) Escola de Educação Física – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

PEREIRA, Ester L; BATAGLION, Giandra A.; MAZO, Janice Z. “Eventos e tradição familiar no hipismo sul-riograndense nas primeiras décadas do século XX”. Hydra, vol. 3, n. 5, p. 154-192, mar. 2019.

PEREIRA, Ester L.; MAZO, Janice ; LYRA, Vanessa. Corridas de cavalo em cancha reta em Porto Alegre (1852/1877): uma prática cultural-esportiva sul-rio-grandense. Revista da Educação Física/UEM, v. 21, n. 4, p. 655-666, 2010.

______; SILVA, Carolina da; MAZO, Janice. O turfe em Porto Alegre/Rio Grande do Sul: aspectos históricos de uma prática cultural esportiva. EFDeportes.com, Revista Digital, ano 15, n. 150, nov. 2010.

______; SILVA, Carolina da; MAZO, Janice. Revista do Globo: as mulheres porto-alegrenses nas práticas equestres. Motriz, v. 17, p. 292-302, 2011.

______; SILVA, Carolina da; MAZO, Janice. Os primeiros vestígios da esportivização das práticas equestres em Porto Alegre. Ciência e Movimento, v. 22, n. 2, p. 121-132, 2014.

PIOVANI, Verónica; RINALDI, Ieda; JUNIOR, Carlos. “Esporte e modernidade no Uruguai no início do século XX: um estudo a partir da revista sportsman (1908)”. Journal of Physical Education, v. 30, n. e3048, 2019.

PINFOLD, John. “Horse Racing and the upper classes in the nineteenth century”. In: Sport in History. vol. 28, n. 3, p. 414-430, 2008.

RIESS, Steven. The Cyclical History of Horse Racing: The USA's Oldest and (Sometimes) Most Popular Spectator Sport. The International Journal of the History of Sport, v.31, n.1-2, p. 29-54, 2014.

ROCHA, Hugo P. A Escola dos Jóqueis: a escolha da carreira do aluno atleta. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SANTOS, Flávia da Cruz. Uma história do conceito de divertimento na são Paulo do século xix (1828 – 1889). Tese (Doutorado em Estudos do Lazer) – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

SANTOS, João Manuel Casquinha Malaia. “Economia do entretenimento: o processo de monopolização do primeiro empreendimento esportivo no Brasil (1850-1930)”. Economia e Desenvolvimento. Santa Maria, vol. 27, p. 202-222, jan.-jul. 2015.

______. “Resistência à monopolização do entretenimento: carreiras em cancha reta e nos prados gaúchos na segunda metade do século XIX e início do XX”. XVI Encontro Estadual de História (ANPUH – RS), 2018.

______; GIGLIO, Sérgio Settani. O papel da memória na construção da identidade organizacional: a Sociedade Jockey Club (1868-1932) e o desenvolvimento da riqueza pastoril. Recorde: Revista de História do Esporte, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 1-21, jan./jun. 2017.

SILVA, Marcelo M. “Comportamentos urbanos e esportes: contribuições para a esportivização do turfe e da pelota basca em Curitiba (1889-1905)”. Licere. Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 86-115, set. 2015.

SOUZA, Eliza S. Panorama do esporte em Manaus – 1897 a 1911. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer) Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

TOLSON, John e VAMPLEW, Wray. Facilitation not Revolution: Railways and British Flat Racing 1830–1914. Sport in History, v.23, n.1, p. 89-106, 2003.

VAMPLEW, Wray. The turf: a social and economic history of horseracing. London: Allen Lane, 1976.

______. Unsporting Behavior: The Control of Football and Horse-Racing Crowds in England, 1875–1914. In: Goldstein, Jeffrey H. (ed). Sports Violence. Nova Iorque (EUA): Springer-Verlag, p. 21-31, 1983.

______; KAY, Joyce. Captains Courageous: Gentlemen Riders in British Horse Racing, 1866–1914. Sport in History, v.26, n.3, p. 370-385, 2006.

VELASQUEZ, Rafael. Ciência inexata: Corrida de cavalo & Antropologia. Dissertação (Mestrado em Antropologia) Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.

XAVIER, João F. S.; FREITAS, G. S.; RIGO, Luiz C.; “Dos aplausos às ruínas: uma construção das memórias do turfe no hipódromo da cidade do Rio Grande/RS”. Licere, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, jun. 2014.

WIGGINS, David e MASON, Daniel. “The socio-historical process in sports studies”. In: ANDREWS, David; MASON, Daniel; SILK, Michael (Orgs.). Qualitative methods in sports studies. Nova Iorque: Berg, p. 39-64, 2005.

Publicado
2020-12-01
Como Citar
Rezende Ricci, M. (2020). Um panorama da historiografia do turfe no Brasil: possibilidades e perspectivas. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 19(3), 165-180. Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/ph/article/view/11813