A Guerra do Paraguai na construção nacional do império

  • Monique Hellen Santos Reis Cerqueira Universidade Federal de Sergipe, Brasil
Palavras-chave: Guerra do Paraguai, Identidade, Construção Nacional

Resumo

O artigo tem como proposta discutir o papel da Guerra do Paraguai na produção de uma cultura nacional durante o Império. Para isso, foram forjadas estratégias políticas que impulsionassem o sentimento de pertencimento surgido durante o conflito através da manipulação do imaginário coletivo. Dessa forma, os discursos produzidos pelos intelectuais possuíam a função ideológica de transpor as aspirações dominantes reforçando o poder simbólico exercido pelo Estado Imperial na construção nacional, na tentativa de unificar os indivíduos como pertencentes à mesma identidade cultural. Assim, foram analisadas algumas fontes periódicas que permitiram observar o arranjo político-ideológico utilizado durante e após a Guerra do Paraguai como instrumento de poder e representação de uma memória política uniformizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALONSO, Angela. Escravismo de circunstância. In: Flores, votos e balas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 51-84.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas: reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. Tradução: Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.


ANDERSON, Benedict. Nação e Consciência Nacional. São Paulo: Editora Ática, 1989.


ANTÔNIO, Edna Maria Matos. O Constitucionalismo brasileiro na cultura política da independência: a capitania de Sergipe. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju, n.44.1, 2014. Disponível em: Acesso em: 10 Out de 2017.

BAHIA, Juarez. Jornal, História e Técnica: História da imprensa brasileira. 5ª ed. Rio de Janeiro: MauadX, 2009.

BETHELL, Leslie. História da América Latina. Tomo VI. Barcelona: Crítica, 1991.

BETHELL, Leslie. O Brasil no mundo. In: A Construção Nacional: 1830-1889. Rio de Janeiro: objetiva, 2014. v.2, p. 131-178.

BOBBIO, Norberto. Os intelectuais e o poder. Tradução: Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. A imprensa periódica como fonte para a história do Brasil. In: SIMPÓSIO NACIONAL DOS PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS DE HISTÓRIA, 5., 1969, Campinas. Anais do V Simpósio Nacional dos Professores Universitários de História. Portos, rotas e comércio. São Paulo: FFLCH-USP, 1971, v. 2. p. 239. Respostas às intervenções dos simposistas.


CAL, Modesto Guillermo Gayo. El origen de las naciones Y los nacionalismos en la obra de Anthony d. Smith y el papel de la política: Una perspectiva diacrónica. Revista de Estúdios Politicos (Nueva Época). n. 114, p. 251-256, octubre-deciembre de 2001.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Imprensa e História do Brasil. Editora Contexto: São Paulo, 1988.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem e Teatro de sombras. 12 ed. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/Relume Dumará, 2019.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: Estudo avançados. São Paulo, v.5, n. 11, 1991.

CHIARAMONTE. José Carlos. El mito de los origenes en la historiografia latinoamericana. Cuadernos del Instituto Ravignani, n. 2. Buenos Aires: Instituto de Historia Argentina y Americana Dr. Emilio Ravignani, 1991.

DORATIOTO, Francisco F. Monteoliva. Maldita Guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

DORATIOTO, Francisco. “História e Ideologia: a produção brasileira sobre a Guerra do Paraguai”, Nuevo Mundo Mundos Nuevos [Online], Colóquios, publicado em 13 de janeiro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 de Fev. 2019.

EAGLETON, Terry. Ideologia: uma introdução. São Paulo: UNESP, 1991.

ELSENBERG, José. Patriotismo e gênero na tradição do pensamento político moderno: uma genealogia. Revista USP, São Paulo, n.59, p. 22-35, setembro/novembro 2003.

FERNANDES, Eurico da Silva. A “invenção” do Paraguai: história, projetos e intelectuais na construção da nação paraguaia (1870-1935). Maringá, 2006 (dissertação de mestrado em história). Universidade Estadual de Maringá – UEM.

GIBERNAU, Montserrat. Nacionalismos: O Estado Nacional e o Nacionalismo no século XX. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

GONZÁLEZ LAURINO, Carolina. La construcción de la identidad uruguaya. Montevideo: Taurus: Universidad Católica, 2001.

GUELLNER, Ernest. Nações e Nacionalismo. Lisboa: Editora Gradiva, 1993.

GUERRA, François Xavier. Modernidade e Independencias: Esayos sobre las revoluciones hispânicas. Madrid: Mapre, 1992.

GUIMARÃES. Lúcia Maria Paschoal. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, a 156, n. 388, p. 459-613, jul./set. 1995.

MAGNOLI. Demétrio. O Corpo da Pátria: Imaginação Geográfica e Política Externa no Brasil (1808-1912). São Paulo: UNESP: Moderna, 1997.

NASCIMENTO, Valdir Aragão do. O Periodismo e a Construção da Identidade Nacional Paraguaia no Decurso e no Pós – Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870). Fronteiras: Revista de História. v.18, n. 31, p. 393 – 414, Jan. / Jun. 2016.

QUIJADA, Mônica. Nación y território: la dimension simbólica del espaço em la construción nacional argentina: Siglo XIX. Revista de Indias, vol LX, n. 219, 2000.

RIVAS, Ricardo Alberto. El origen de la nación y los historiadores lationamericanos. Latino-americanos [En línea]. Cuadernos del CISH, 1(1). Disponible en:http://www.fuentesmemoria.fahce.unlp. edu.ar/art_revistas/pr.2491/ pr.2491.pdf

SMITH, Anthony D. Nacional Identity. Peguin Books: England, 1991.

SODRÉ, Nelson Werneck. A História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: MauadX, 1996.
Publicado
2020-09-30
Como Citar
Santos Reis Cerqueira, M. (2020). A Guerra do Paraguai na construção nacional do império. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 19(2), 21-36. Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/ph/article/view/11692