“Excesso tão insolente” e “violentamente”: contestações e revoltas contra os padres jesuítas na capitania do Caeté em meados do século XVIII

  • Leonardo Augusto Ramos Silva Universidade Federal do Pará, Brasil
Palavras-chave: Capitania do Caeté, Revoltas coloniais, Século XVIII

Resumo

O presente artigo investiga a participação de diversos segmentos sociais em duas revoltas – o Motim de 1736 e a Sublevação de 1741 – na Capitania do Caeté, no norte da Amazônia portuguesa. Autoridades locais, moradores, índios e padres unira-se motivados por seus descontentamentos com a administração jesuítica local. Os rebeldes engendraram diversas estratégias tanto na busca da “causa comum” quanto por interesses particulares, essas estratégias foram materializadas a partir das alianças, intrigas e negociações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do rio de janeiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.
BICALHO, Maria Fernanda Baptista. “Conquista, Mercês e Poder local: a nobreza da terra na América Portuguesa e a cultura política do Antigo Regime”. Almanack braziliense, Vol. 02, nov., p. 21-34, 2005.
BETTENDORFF, Pe. João Felipe, S. J. Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo 72, parte 1, 1910.
BLUTEAU, Rafael. Vocabulario Portuguez e latino (Volume 05: Letras K-N). Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva, Impressor de Sua Magestade, 1716.
CAETANO, Antonio Filipe Pereira. Conflitos, revoltas e insurreições na América portuguesa. Maceió: EDUFAL, 2011.
CAETANO, Antonio Filipe Pereira. Entre drogas e Cachaça: A política colonial e as Tensões na América Portuguesa (Capitanias do Rio de Janeiro e Estado do Maranhão e Grão-Pará, 1640-1710). 2008. Tese. Programa de Pós-graduação em História, Poder e Movimentos sociais norte e nordeste, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Índios Cristãos - Poder, Magia e Religião na Amazônia colonial. Curitiba: CRV, 2017.
CARVALHO, Roberta Lobão. “Antijesuitismo na Amazônia portuguesa (primeira metade do século XVIII)”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 39, nº 82, p. 153-173, 2019.
CESAR PEREIRA, Benedito. Sinopse da História de Bragança. Bragança: Imprensa oficial, 1963.
CHAMBOULEYRON, Rafael. “Duplicados clamores” Queixas e rebeliões na Amazônia colonial século XVII”. Projeto História, São Paulo, n. 33, dez., p. 159-178, 2006.
CHAMBOULEYRON, Rafael. Povoamento, ocupação e agricultura na Amazônia colonial. Belém: Editora Açaí, 2010.
CHAMBOULEYRON, Rafael; KARL, Heinz Arenz; MELO, Vanice Siqueira de. Ruralidades indígenas na Amazônia colonial. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeld. Ciências Humanas, Belém, v. 15, n. 1, p. 1-22, 2020.
CHARLET, Eliane Cristina Soares. Autoridades em construção: conflitos e alianças nas fronteiras bragantinas. Século XVII e XVIII. In: 6º Encontro Internacional de História Colonial. Mundos coloniais comparados: poder, fronteiras e identidades. Anais Eletrônicos do 6º Encontro Internacional de História Colonial, Salvador: EDUNEB, 2017.
DIAS, Camila Loureiro; BOMBARDI, Fernanda Aires. O que dizem as licenças? Flexibilização da legislação e recrutamento particular de trabalhadores indígenas no Estado do Maranhão (1680-1755). Revista História, São Paulo, nº 75, jul/dez. p. 249-280, 2016.
FIGUEIREDO, Luciano. Rebeliões no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.
LEITE, S. J. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo III. Rio de Janeiro: Imprensa, 1943
MATTOS, Hebe. História e movimentos sociais. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Novos domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
OLIVEIRA, Luciana de Fátima. Projetos de consolidação de um território: da vila de Souza do Caeté à vila de Bragança: 1740 – 1760. 2008. Dissertação. Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2008.
PAIVA, Eduardo França. Dar nome ao novo: Uma história lexical da Ibero-América entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Autêntica editora, 2015.
PAMPLONA, Marco Antonio Villela. “A Historiografia sobre protesto popular: uma contribuição para o estudo das revoltas urbanas”. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 215-238, 1996.
PRIORE, Mary Del. História da gente brasileira: volume 1: colônia. São Paulo: Le Ya, 2016.
RAMOS SILVA, Leonardo Augusto. Os índios principais na Sublevação da Capitania do Caeté (1741-1745). Revista Manduarisawa, Manaus, vol. 2, nº 01, p. 99-122, 2018.
RODRIGUES, Gefferson Ramos. A concepção de “povo” no Antigo Regime: nota para compreensão dos grupos “populares” nas rebeliões coloniais. In: CHAMBOUEYRON, Rafael; ARENZ, Karl-Heinz (Orgs.). Anais do IV Encontro Internacional de História Colonial. Volume 12 - Conflitos, revoltas e insurreições na América Portuguesa. Belém: Editora Açaí, 2014.
RUDÉ, George. A Multidão na História: Estudos dos Movimentos Populares na França e na Inglaterra 1730-1848. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1991.
RUDÉ, George. Ideologia e Protesto Popular. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.
SALGADO, Graça. Fiscais e meirinhos: a administração no Brasil colonial. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.
SOUZA JÚNIOR, José Alves de. Tramas do cotidiano: religião, política, guerra e negócios no Grão-Pará dos setecentos. Belém: Editora da UFPA, 2012.
THOMPSON, E. P. A economia moral da multidão inglesa no século XVIII. In: Costumes em comum: Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
Publicado
2020-12-01
Como Citar
Ramos Silva, L. (2020). “Excesso tão insolente” e “violentamente”: contestações e revoltas contra os padres jesuítas na capitania do Caeté em meados do século XVIII. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 19(3), 7-32. Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/ph/article/view/11601