As bases do historiador: a importância dos estudos historiográficos e a análise teórica das fontes para a pesquisa sobre as comunidades ciganas do Rio Grande do Sul dos últimos 20 anos

  • Patrick de Carvalho da Silva Mestrando em História pelo PPGH da Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: Ciganos, Identidade, História Oral

Resumo

A presente produção textual objetiva uma breve abordagem sobre algumas obras selecionadas, por este mestrando, e presentes na disciplina Estudos Historiográficos V do Curso de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Passo Fundo – UPF, e o diálogo adjunto a demais autores à problemática da importância das teorias históricas na abordagem a grupos sociais, em especial, a dos povos ciganos no Brasil, tema central da pesquisa em progresso. As aproximações teóricas trazem em seu cerne o norteamento de onde falamos e a partir do que estamos dispostos a analisar. De igual modo, os conceitos teóricos da história nos permitem as bases para definir os nossos objetos de estudo, os recortes temporais necessários e as fontes relevantes à pesquisa. Tendo em consideração que a história dos povos ciganos possui em sua concepção a história oral como uma das expressões de sua identidade, a abordagem teórica faz-se necessária como um contraponto a fim de desenvolver uma construção mais ampla e cognitiva frente às comunidades romani (ciganas), construindo teorias que auxiliem na interpretação da realidade e do mito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GADDIS, John Lewis. Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

HEINSFELD, Adelar. Sob a inspiração de Clio: uma introdução ao estudo da história.
2 ed. São Paulo: DPP Editora; Passo Fundo: PPGH-UPF, 2013.

KARPOWICZ, Débora Soares. Ciganos: História, Identidade e Cultura. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2018.

MARTINS, Estevão R. (org.) A História pensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. 1ª ed. São Paulo: Contexto, 2015.

REIS, José Carlos. O conceito de tempo histórico em Ricoeur, Koselleck e nos Annales: uma articulação possível. In: História & Teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. 2ª edição. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2005.

REIS, José Carlos. O lugar da teoria-metodologia na cultura histórica. Revista de Teoria da História Ano 3, Número 6, p. 04-26, dez, 2011.

SILVA, Valeria Sanchez. Devir cigano: o encontro cigano-não cigano (rom-gadjé) como elemento facilitador do processo de individuação. 2006. 244 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: Acesso em: 12 nov. 2019.

SEIGNOBOS, Charles. O método histórico aplicado às ciências sociais. In: MALERBA, Jurandir (org.) Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

TEDESCO, João Carlos. Passado e Presente em interfaces: introdução a uma análise sócio-histórica da memória. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, p. 143-187, 2011.

VANELLI, Marta. Nomadismo Cigano: migração dos excluídos. Cadernos do CEOM – Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, v. 23, n. 32, p. 259-266, jun. 2010. Disponível em: Acesso em: 12 nov. 2019.
Publicado
2020-04-30
Como Citar
de Carvalho da Silva, P. (2020). As bases do historiador: a importância dos estudos historiográficos e a análise teórica das fontes para a pesquisa sobre as comunidades ciganas do Rio Grande do Sul dos últimos 20 anos. Semina - Revista Dos Pós-Graduandos Em História Da UPF, 19(1), 5 - 20. Recuperado de http://seer.upf.br/index.php/ph/article/view/10937
Seção
Artigos Dossiê